Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quem passou esta manhã pela autoestrada A42 em Alfena, Valongo, habilitou-se a ser mandado parar pela GNR para uma operação Stop. Só que esta não era uma operação qualquer: ali perto, dentro de umas tendas brancas, vinte agentes do fisco estavam sentados à secretária para averiguar se os carros eram propriedade de alguém com dívidas ao Estado. Se não fosse, podia seguir viagem. Se fosse, tinha de a pagar — ou então o carro seria penhorado.

A operação, batizada de “Ação sobre Rodas”, devia durar a manhã toda, das 8h às 13h. Mas foi cancelada antes disso pela secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais, por não ter sido “definida centralmente”. Entre uma coisa e outra, pelo menos entre 50 a 100 carros foram mandados parar. E pelo menos um foi penhorado. Mas foi-o legalmente? As opiniões dividem-se entre os especialistas. Uns acreditam que sim, outros dizem que viola os mais básicos direitos humanos.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.