Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há pessoas que recebem títulos, condecorações ou medalhas. E depois há pessoas que são o próprio título que os outros acham que lhe deram – quando na verdade o título foi criado por elas. Isto tudo para dizer que sim, Madonna é a rainha da pop, título oficial e incontestável, como toda a gente sabe, mas também que esse título nasceu e vive com ela, sendo muito provavelmente intransmissível.

Agora que Madonna vai fazer 60 anos, e que já começou a contagem decrescente para o aniversário real (basta seguir a cantora no Instagram para saber isso), é importante perceber exatamente o significado da frase de Shakespeare: “Pesada é a cabeça que usa a coroa”. É que ser a rainha tem consequências, sobretudo quando se é rainha de um reino que se construiu do zero, ou seja, onde não se chega ao trono por acaso ou por direito de nascimento.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.