817kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Carlos Mirpuri foi o primeiro português a aterrar na Antártida
i

Carlos Mirpuri foi o primeiro português a aterrar na Antártida

Carlos Mirpuri foi o primeiro português a aterrar na Antártida

Português aterra na Antártida: “Nenhum voo nos dá a gratificação que sentimos quando chegamos a uma pista esculpida em gelo”

O piloto Carlos Mirpuri realizou este mês um feito inédito: aterrou um A340 na Antártida, abrindo a porta a voos regulares. Ao Observador descreve uma experiência “desafiante, para dizer o mínimo”.

Foram precisos quatro meses de preparação para o comandante Carlos Mirpuri realizar um voo que descreve como “histórico”: aterrar aos comandos de um Airbus 340 na Antártida. Foi a primeira vez que um avião deste género pisou o continente gelado, e a primeira vez que um português fez ali pousar uma aeronave.

Na memória de Mirpuri ficou a aproximação, no dia 5 de novembro, a uma “pista esculpida em gelo”, que se mistura “com o terreno circundante e o imenso deserto branco ao redor”. Fazer ali pousar um A340, com passageiros a bordo, tornou “o julgamento da altura desafiante, para dizer o mínimo”, conta ao Observador.

Carlos Mirpuri é fundador, vice-presidente e piloto da transportadora Hi Fly e foi a pedido de um cliente que se dispôs a levar 23 passageiros e carga para a Antártida. Partiu da cidade do Cabo, na África do Sul, para uma viagem de cinco horas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Com uma carreira de 42 anos, é curta a lista de destinos para onde Mirpuri ainda não tinha voado. Era, no entanto, o caso da Antártida. A experiência não desiludiu: “Indescritível, emocionante, mágico. Sentimo-nos no topo do mundo, apesar de estarmos literalmente no lado oposto”.

“Ficamos com a sensação que não há mais nenhum voo que nos devolva a gratificação que sentimos quando chegamos a uma pista esculpida em gelo glaciar, onde não há aerogares, nem controle de fronteiras. É uma sensação de liberdade única”
Carlos Mirpuri, piloto

Depois de aterrar neste “deserto branco com uma área maior que a Austrália”, o comandante da Hi Fly diz que pouco fica por fazer. “Ficamos com a sensação de que não há mais nenhum voo que nos devolva a gratificação que sentimos quando chegamos a uma pista esculpida em gelo glaciar, onde não há aerogares nem controle de fronteiras. É uma sensação de liberdade única”, conta.

Um dos maiores desafios desta operação foi mesmo localizar a pista, não só devido à luz intensa refletida pelo gelo, mas também porque “não há absolutamente nenhum auxílio à navegação”, incluindo guiamento visual, em Wolfsfang Runway, a pista onde aterrou na Antártida. Foi preciso também considerar a possibilidade de erros nos altímetros devido às temperaturas muito baixas.

No “Diário do Comandante”, um relato que escreveu para Hi Fly, Mirpuri descreve a pista de Wolfsfang como “extremamente dura”, o suficiente para “suportar um avião pesado”. É nesta placa de “gelo glaciar azul” que são “rasgados entalhes” com equipamento especial, necessários à aterragem e que são inspecionados antes da operação.

“Tendo a pista 3.000 metros de comprimento, aterrar e parar um A340 tão pesado naquele aeródromo não seria problema. Pelo menos, não no papel, já que nunca um A340 aterrou ali”, escrevia o comandante no diário de bordo.

Foi por isso com satisfação que percebeu que o avião se tinha comportado conforme o esperado. “Quando parámos, ouvi uma salva de palmas na cabine. Estávamos contentes. No final de contas, estávamos a fazer história”, recorda ao Observador.

6 fotos

Mirpuri explica que os voos para a Antártida costumam ser feitos com “aviões tipo cargueiro, sem o conforto de um avião comercial”. O A340 não só oferece mais conforto como é mais seguro e é capaz de fazer a viagem de ida e volta sem ter de reabastecer — um fator importante num continente com disponibilidade limitada de combustível.

Com quatro reatores, o Airbus é também capaz de levar “bastante carga” e passageiros para este destino remoto. E vai continuar a fazê-lo: este “voo de validação” veio abrir portas a ligações regulares. “Autorizei o lançamento de operações repetitivas, e entre novembro e fevereiro temos previstos voos entre a Cidade do Cabo e Wolfsfang”, revela o comandante.

Durante esta temporada, a Hi Fly vai transportar turistas, cientistas e carga essencial para o continente. Só é possível, no entanto, voar neste período — entre novembro e fevereiro —, que corresponde ao verão na Antártida. “O inverno é de um rigor tal que impede operações de transporte aéreo regulares” durante o ano inteiro, remata o piloto.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos