Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

[Esta reportagem foi publicada a 15 de janeiro de 2018 e recuperada a 19 de dezembro de 2018, a propósito da morte de Manuel Nascimento, com quem o Observador tinha conversado três meses depois dos fogos de outubro de 2017.]

Sozinho, sentado a apanhar sol numa cadeira de metal, ao lado de troncos cortados para lenha, com vista para os terrenos queimados e para a casa onde vive com a mulher, que milagrosamente ficou intacta depois daquele 15 de outubro, o pior dia de incêndios do país. Foi ali que encontrámos Manuel Nascimento, o homem que há precisamente três meses foi fotografado a ser confortado por Marcelo Rebelo de Sousa dentro do carro, quando chorava copiosamente por ter perdido grande parte do que tinha. “Foi ali, naquele carro. Eu do lado do condutor e o Sr. Presidente ao meu lado”, lembra Manuel, a apontar para o veículo. A fotografia acabou por se tornar uma das imagens mais marcantes da segunda tragédia dos fogos em Portugal.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.