A página Coletividade Evolutiva publicou a 1 de maio um artigo afirmando que o FBI, a unidade de investigação federal norte-americana, “invadiu” o escritório de um médico em Detroit que “tratava pacientes com Covid-19 com vitamina C intravenosa”.

No artigo, o autor questiona “o que está acontecendo com a vitamina C, porque está sendo ignorada como tratamento e prevenção contra o covid-19?”, acrescentando que “a vitamina C está curando pacientes na China, e em hospitais de Nova Iorque”. Mais à frente, lança outra questão [sic]: “Porque a ideia de curar pacientes com vitamina C via intravenosa está sendo apresentada como ‘notícias falsas’ sem apoio científico, quando é cientifico, e também provado com fatos?” O problema é que todas estas afirmações são falsas.

É verdade que o FBI realizou, de facto, uma rusga policial ao escritório do médico, suspeito de “conspiração de fraude nos cuidados de saúde”. E também é verdade que o homem afirmava que os seus supostos tratamentos eram capazes de curar ou prevenir a Covid-19 através de injeções de vitamina C — mas isto era apenas o que ele prometia. Não é verdade que o médico em questão conseguisse tratar esses pacientes, uma vez que a vitamina C não cura nem evita a infeção pelo novo coronavírus.

Em declarações enviadas ao Observador, o departamento de comunicação do FBI de Detroit esclareceu que Charles Mok é suspeito de ter efetuado “cobranças fraudulentas ao Medicare”, o sistema de seguros de saúde norte-americano e que é gerido pelo governo, “para vitamina C como tratamento para pacientes com Covid-19”.

Também terá injetado pacientes com uma solução alegadamente à base de vitamina C, apesar de esses tratamentos serem falsos e não curarem nem prevenirem a Covid-19: “As injeções eram principalmente feitas no Allure de Shelby Township”, confirma um comunicado pela Procuradoria de Michigan.

Todo o artigo é escrito com base na premissa falsa de que a vitamina C cura e previne a Covid-19

Além disso, o médico também está sob investigação por “não seguir os protocolos de isolamento para impedir que pacientes que testem positivo para a Covid-19 entrem em contacto com pacientes negativos”, descreveu fonte oficial do FBI de Detroit, em resposta enviada por e-mail.

A Procuradoria confirma isso mesmo em comunicado: “Em inúmeras ocasiões, os pacientes positivos para a Covid-19 foram tratados com pacientes saudáveis, incluindo aqueles agendados para procedimentos eletivos não essenciais, na única sala de espera do Allure”.

O FBI também confirmou ao Observador que, na sequências destas investigações, “foi executado um mandado de busca em Shelby Township”, uma cidade no estado americano de Michigan, no condado de Macomb, “a 23 de abril”. Essa é a localização do Allure Medical Spa, a clínica de que Charles Mok é proprietário, e onde terá ocorrido a maior parte dos atos criminosos.

Essas rusgas já tinham sido confirmadas o comunicado da Procuradoria de Michigan. No mesmo documento, o Departamento de Justiça esclareceu que Charles Mok “foi acusado de uma queixa criminal pelo suposto papel num esquema de fraude no setor de saúde, que envolveu o envio de alegações falsas ao Medicare por serviços que nunca foram prestados e/ou eram desnecessariamente medicados”.

“O doutor Mok é responsável por explorar a pandemia atual para enganar o programa Medicare e colocar em risco a segurança e a saúde dos seus pacientes”, prossegue o comunicado: “Mok apresentou ao Medicare alegações falsas e fraudulentas relacionadas com infusões intravenosas de altas doses de vitamina C a pacientes com risco de contrair Covid-19, especialmente aqueles que trabalham nas linhas de frente, e àqueles que tiveram resultado positivo para a Covid-19″.

Em suma, é verdade que a polícia realizou uma rusga à clínica de um médico que afirmava tratar ou prevenir a Covid-19 através de injeções de vitamina C. O problema é que, além da fraude dirigida ao sistema de seguros norte-americano que esses tratamentos representavam, eles não curam nem previnem a Covid-19. E toda a base do artigo e da promessa do médico são falsas.

O médico João Júlio Cerqueira, que gere o projeto Scimed – Ciência Baseada na Evidência, já tinha publicado no Observador que a utilização da vitamina C para o reforço do sistema imunitário no tratamento de doenças como a gripe ou a constipação é um “mito”.

“Não há evidência que a vitamina C previna a pneumonia, a gripe e muito menos o Covid-19. Aliás, a toma de antioxidantes no geral (como Vitamina C, E, A, Beta-Caroteno e Selénio) parecem estar associadas a maior mortalidade geral, sem qualquer benefício comprovado, exceto em circunstâncias muito específicas”, resumiu o médico.

A Organização Mundial de Saúde também já esclareceu que, apesar de alguns medicamentos parecerem aliviar alguns dos sintomas de uma infeção pelo novo coronavírus, “não há tratamentos que tenham mostrado prevenir ou curar a doença”.

Conclusão

O FBI fez realmente uma rusga policial à clínica de um médico que dizia curar os pacientes infetados com o novo coronavírus através de injeções à base de vitamina C, violando as regras do sistema de seguros de saúde norte-americanos e colocando em risco a saúde dos clientes. Esses supostos tratamentos eram, de facto, executados, mas eram fraudulentos porque não há qualquer evidência de que a vitamina C previna a Covid-19. É falso que estes tratamentos sejam eficazes e que curassem ou prevenissem a Covid-19, tal como o médico levava os seus pacientes a acreditarem.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador este conteúdo é:

ERRADO

De acordo com a classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota 1: Este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook.

Nota 2: O Observador faz parte da Aliança CoronaVirusFacts / DatosCoronaVirus, um grupo que junta mais de 100 fact-checkers que combatem a desinformação relacionada com a pandemia da COVID-19. Leia mais sobre esta aliança aqui.

IFCN Badge