Lula da Silva

A “direita” brasileira é a mais burra do mundo

Autor
  • Miguel Pinheiro
1.577

Se a Lava Jato é uma invenção da "direita" para prender Lula, então porque é que encheu presídios com políticos, imagine-se, da "direita" e com os responsáveis das maiores construtoras?

Catarina Martins tentou esgotar o dicionário para falar sobre “a direita” brasileira, que pelos vistos é “reacionária”, “racista”, “fascista” e ocupa os seus tempos livres a “destituir”, a “prender” e a “matar”. Mas, apesar da forma exaustiva como descreveu “a direita”, faltaram duas palavras: essa “direita” é também incompetente e burra.

Só pode. Se, de facto, como argumenta a preclara líder do BE (repetindo argumentos do PCP e das viúvas do socratismo), “a direita” brasileira inventou a Operação Lava Jato para conseguir “a prisão de Lula”, “o julgamento da política do Partido dos Trabalhadores” e a promoção, proteção e eternização do “poder das grandes construtoras” — então ela é, sem sombra de dúvida e a grande distância, a mais incompetente e burra do mundo.

É que, de facto, a Operação Lava Jato conseguiu prender Lula, como muito argutamente notou Catarina Martins — mas, antes disso, decapitou a carreira de alguns dos principais políticos da “direita” e enviou para os calabouços os responsáveis das maiores construtoras.

Os factos têm dificuldade em penetrar no mundo de fantasia embrulhada em retórica que a líder do BE gosta de servir nos seus discursos, mas, de qualquer forma, vamos olhar para uma lista muito rudimentar dos alvos da Operação Lava Jato na “direita”:

1) Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, promotor do impeachment de Dilma Rousseff e um dos políticos mais comicamente conservadores do país — é autor de uma proposta que pretendia criminalizar o “preconceito heterossexual” e é defensor da criação do Dia do Orgulho Heterossexual; ou seja, é o nemesis perfeito de Catarina Martins — foi condenado a 15 anos e quatro meses de prisão por corrupção passiva.

2) Sérgio Cabral Filho, do PMDB (o partido do atual Presidente da República, Michel Temer, “usurpador” do cargo de Dilma), ex-governador do Rio de Janeiro e ex-senador está preso por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

3) Aécio Neves, ex-candidato da “direita” contra Dilma Rousseff em 2014, ex-governador de Minas Gerais, ex-presidente da Câmara dos Deputados e atual senador já foi suspenso duas vezes do cargo, tem cinco inquéritos em investigação e no dia 17 deste mês o Supremo Tribunal Federal decide se o constitui arguido num processo por corrupção passiva e obstrução à justiça.

4) Fernando Collor de Mello, ex-Presidente da República que se apresentou como liberal, derrotou Lula e acabou destituído, e agora ocupa o cargo de senador, é arguido por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

5) Renan Calheiros, ex-presidente do Senado, ex-ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso e atual senador, está a ser investigado por corrupção.

6) Romero Jucá, senador e presidente do PMDB (lembrem-se, o partido de Temer), está a ser investigado em vários inquéritos.

7) Roseana Sarney, filha de José Sarney, ex-senadora, ex-governadora do Maranhão e pré-candidata à Presidência da República em 2002 pelo Partido da Frente Liberal e hoje no PMDB, está a ser investigada num inquérito.

8) Nas construtoras, estão condenados a vários anos de cadeia os ex-presidentes do Conselho de Administração da Camargo Corrêa, da OAS e da Odebrecht e está a ser investigado o da Andrade Gutierrez.

Claro que podemos sempre argumentar que isto faz parte da Grande Conspiração Anti-Lula. Para disfarçar (mal, muito mal) o seu verdadeiro objetivo, os mefistofélicos mentores políticos da Operação Lava Jato decidiram encarcerar boa parte da “direita” e dos líderes das muito capitalistas empresas de construção. Depois de encherem presídios um pouco por todo o país, chegaram finalmente a Lula, que era onde pretendiam começar e onde desejavam terminar. Eu, por mim, acho que faz todo o sentido.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mpinheiro@observador.pt
Abusos na Igreja

O Observador e os abusos na Igreja

Miguel Pinheiro

Como foi feito e por que foi feito o trabalho especial do Observador sobre abusos sexuais na Igreja portuguesa? Quais são as dúvidas e críticas dos leitores? E quais são as nossas respostas?

PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro
300

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

PCP

Difamação! Calúnia! Perseguição! /premium

Miguel Pinheiro
298

Para o PCP, os jornalistas incómodos são “preconceituosos”, “provocadores”, “ridículos”, “rasteiros” (pausa para respirar), “insidiosos” e (o meu preferido, de longe) “repugnantes”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)