Igreja Católica

Alegria e gratidão

Autor
174

D. António Marto pertence à primeira geração que nasceu, cresceu e se afirmou depois da Segunda Guerra Mundial. O seu percurso representa na Igreja em Portugal o melhor do que essa geração nos trouxe.

É com alegria e gratidão que me associo à nomeação cardinalícia do Senhor D. António Marto.

Alegria, pelo reconhecimento dos seus muitos méritos e do contributo que podem dar à Igreja universal e ao ministério do Sucessor de Pedro.

Reconhecimento oportuno, no atual contexto eclesial. D. António Marto pertence à primeira geração que nasceu, cresceu e se afirmou depois da Segunda Guerra Mundial. Chegou à juventude nos anos sessenta, que tantas novidades trouxeram à sociedade e à Igreja. À sociedade mais participativa e à Igreja-comunhão, assim mesmo reafirmada pelo Concílio Vaticano II (1962-1965).

Sociedade participativa, onde todos se possam decidir e expressar. Igreja-comunhão, lugar de encontro de Deus com os homens e «como que o sacramento, ou sinal, e o instrumento da íntima união com Deus e da unidade de todo o género humano» (Lumen Gentium, 1).

O novo cardeal é expressão eloquente desta geração, no que diz e no modo como atua. O seu percurso pessoal, da aldeia natal ao seminário, da experiência fabril ao estudo romano, do magistério universitário aos sucessivos cargos episcopais (em Braga, Viseu e Leiria-Fátima), representa na Igreja em Portugal o melhor do que essa geração nos trouxe e continua a trazer.

No seu caso pessoal, por duas razões maiores: pela inteligência e pela sensibilidade. Inteligência significa capacidade de ler e entender o que o tempo traz e promete. Evangelicamente, significa reconhecer que em cada circunstância se pode detetar a presença do Ressuscitado e o seu apelo.

Tivemos entre nós a felicidade de contar com a grande personalidade teológica e pastoral que foi o falecido Cardeal D. José Policarpo, que se revelou sobretudo um grande leitor dos “sinais dos tempos”. Com ele privei muitos anos e posso testemunhar da grande estima que nutria por D. António Marto e como acompanhava o seu percurso. É com este conhecimento que os aproximo aos dois na idêntica atitude e competência com que leem e nos ajudam a ler evangelicamente a realidade.

Também porque os aproximou a sensibilidade. Refiro-me ao modo de ser tocado pelos outros, às suas necessidades e aspirações. Refiro-me à abertura, à bondade e à beleza, irmãs gémeas da verdade. Nisto se aproximaram também os dois – o cardeal Policarpo, criado no mesmo consistório de Bergoglio; o cardeal Marto, no presente consistório do Papa Francisco.

Naturalmente, estas circunstâncias reforçam a alegria com que que acompanhei o primeiro e acompanho agora o segundo. Num sentimento que é muito justamente compartilhado pela Igreja e a sociedade em geral.

A gratidão, dirijo-a a Deus, ao Papa Francisco e ao novo cardeal. A Deus, por reconhecer também aqui um sinal da sua providência e companhia. Ao Papa Francisco, por reforçar deste modo o seu impulso evangelizador, na Igreja e no mundo, da Igreja para o mundo.

Ao cardeal Marto por tudo quanto representa e ativa entre nós, na receção conciliar que continua.

Este texto é o prefácio do livro “D. António Marto. O Cardeal de Fátima” (Paulus Editora), que sai para as bancas esta quarta-feira

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)