Igreja Católica

Alegria e gratidão

Autor
174

D. António Marto pertence à primeira geração que nasceu, cresceu e se afirmou depois da Segunda Guerra Mundial. O seu percurso representa na Igreja em Portugal o melhor do que essa geração nos trouxe.

É com alegria e gratidão que me associo à nomeação cardinalícia do Senhor D. António Marto.

Alegria, pelo reconhecimento dos seus muitos méritos e do contributo que podem dar à Igreja universal e ao ministério do Sucessor de Pedro.

Reconhecimento oportuno, no atual contexto eclesial. D. António Marto pertence à primeira geração que nasceu, cresceu e se afirmou depois da Segunda Guerra Mundial. Chegou à juventude nos anos sessenta, que tantas novidades trouxeram à sociedade e à Igreja. À sociedade mais participativa e à Igreja-comunhão, assim mesmo reafirmada pelo Concílio Vaticano II (1962-1965).

Sociedade participativa, onde todos se possam decidir e expressar. Igreja-comunhão, lugar de encontro de Deus com os homens e «como que o sacramento, ou sinal, e o instrumento da íntima união com Deus e da unidade de todo o género humano» (Lumen Gentium, 1).

O novo cardeal é expressão eloquente desta geração, no que diz e no modo como atua. O seu percurso pessoal, da aldeia natal ao seminário, da experiência fabril ao estudo romano, do magistério universitário aos sucessivos cargos episcopais (em Braga, Viseu e Leiria-Fátima), representa na Igreja em Portugal o melhor do que essa geração nos trouxe e continua a trazer.

No seu caso pessoal, por duas razões maiores: pela inteligência e pela sensibilidade. Inteligência significa capacidade de ler e entender o que o tempo traz e promete. Evangelicamente, significa reconhecer que em cada circunstância se pode detetar a presença do Ressuscitado e o seu apelo.

Tivemos entre nós a felicidade de contar com a grande personalidade teológica e pastoral que foi o falecido Cardeal D. José Policarpo, que se revelou sobretudo um grande leitor dos “sinais dos tempos”. Com ele privei muitos anos e posso testemunhar da grande estima que nutria por D. António Marto e como acompanhava o seu percurso. É com este conhecimento que os aproximo aos dois na idêntica atitude e competência com que leem e nos ajudam a ler evangelicamente a realidade.

Também porque os aproximou a sensibilidade. Refiro-me ao modo de ser tocado pelos outros, às suas necessidades e aspirações. Refiro-me à abertura, à bondade e à beleza, irmãs gémeas da verdade. Nisto se aproximaram também os dois – o cardeal Policarpo, criado no mesmo consistório de Bergoglio; o cardeal Marto, no presente consistório do Papa Francisco.

Naturalmente, estas circunstâncias reforçam a alegria com que que acompanhei o primeiro e acompanho agora o segundo. Num sentimento que é muito justamente compartilhado pela Igreja e a sociedade em geral.

A gratidão, dirijo-a a Deus, ao Papa Francisco e ao novo cardeal. A Deus, por reconhecer também aqui um sinal da sua providência e companhia. Ao Papa Francisco, por reforçar deste modo o seu impulso evangelizador, na Igreja e no mundo, da Igreja para o mundo.

Ao cardeal Marto por tudo quanto representa e ativa entre nós, na receção conciliar que continua.

Este texto é o prefácio do livro “D. António Marto. O Cardeal de Fátima” (Paulus Editora), que sai para as bancas esta quarta-feira

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igreja Católica

O Papa, o bispo e o padre /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.278

«Isto é um escândalo! É melhor não ir à igreja: vive assim, como ateu. Mas, se vai à igreja, […] dê um verdadeiro testemunho, não um contratestemunho».

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)