Saúde Pública

As vidas desfeitas pelo consumo de tabaco

Autor
176

As campanhas públicas antitabágicas levam à redução do número de pessoas que começam a fumar, aumentam o número de fumadores que cessam o consumo tabágico, tendem a salvar vidas e a poupar dinheiro.

As vidas desfeitas pelo consumo de tabaco são as histórias que temos de nos lembrar. Quantos de nós recordam com saudade aqueles que connosco partilharam a vida, mas que já nos deixaram pelo hábito de fumar ou ajudados por ele? Quantas crianças deixaram de brincar com a sua mãe, pai ou avós e de com eles poder crescer por esse vício se intrometer nas suas vidas? Quantas vezes ficou um colo para dar? Quantas vezes um truque, jogo ou brincadeira não foi ensinado? Quanto afecto perdido, quanto carinho… Quantas mortes evitáveis, desestruturantes de famílias, condenando ao suplício, sofrimento ou criando disrupções com tantos outros efeitos secundários? O tabaco mata. E continua a matar. Muito já foi feito para ajudar na redução deste flagelo, mas ainda há muito por fazer como atestam os últimos números.

Medidas muito recentes terão, certamente, o seu efeito no futuro. A alteração de 2017 à Lei do Tabaco, além de ter aumentado os locais onde é proibido fumar (nomeadamente parques infantis) e equiparado os novos produtos ao tabaco mais tradicional, implementou pela primeira vez a comparticipação de medicamentos antitabágicos sujeitos a receita médica, o que possibilitou um aumento muito significativo na sua utilização e significou a diminuição dos constrangimentos económicos ao seu acesso.

Mas estas alterações não são ainda suficientes. A prevenção e redução do consumo do tabaco deve convocar-nos a todos. O tabaco é uma das principais causas evitáveis de morte prematura por cancro, por doenças respiratórias e por doenças cérebro-cardiovasculares. Em Portugal, em 2016, estima-se que o tabaco tenha contribuído para uma morte a cada 50 minutos (cerca de 11.800 pessoas, aproximadamente 10% das mortes). As pessoas fumadoras perdem, em média, cerca de 10 anos de vida e embora existam hoje menos homens a fumar, há actualmente mais mulheres a fumar.

A Campanha Nacional de Luta Contra o Tabagismo 2018, da Direção Geral da Saúde, “Opte Por Amar Mais”, agora lançada, é um bom exemplo deste esforço que devemos todos continuar a fazer. Particularmente pela forma como se enquadra no Plano Nacional de Prevenção do Tabagismo e pela articulação com outras medidas, como é exemplo a anunciada articulação entre os Ministérios da Saúde e da Educação, permitindo que conteúdos da campanha e com ela relacionados sejam trabalhados nas Escolas por todo o país, rentabilizando estes recursos e trabalhando desde cedo a literacia em saúde dos portugueses.

O crescimento muito significativo do consumo de tabaco entre as mulheres implica necessariamente acções específicas, incluindo de sensibilização, como esta campanha é, aliás, exemplo. A evidência científica é substancial e clara: As campanhas públicas antitabágicas possibilitam a redução do número de pessoas que começam a fumar, aumentam o número de fumadores que cessam o consumo tabágico, tornam o marketing utilizado pela indústria tabágica menos eficaz e, portanto, tendem a salvar vidas e a poupar dinheiro. Estas conclusões são apresentadas em relatórios como “Report of the Surgeon General 2012”, “Preventing Tobacco Use Among Youth and Young Adults” ou o “Report of the Surgeon General 2014, The Health Consequences of Smoking – 50 Years of Progress” (Riordan, 2017). Este tipo de campanhas é também considerado custo-efectivo. As mensagens que usam imagens ou testemunhos que relatam as consequências negativas para a saúde do consumo do tabaco são as mais eficazes no aumento do conhecimento, crenças positivas e comportamento de cessação tabágica.

Estes são passos importantes num desafio que deve ser abraçado por todos, não só decisores políticos e profissionais de saúde e de educação, mas de toda a sociedade. É da saúde e do bem-estar de todos que se trata. As consultas de cessação tabágica têm que continuar a ser reforçadas por todo o país, mas é necessário apostar mais em acções de prevenção e em estratégias de mudança de comportamento e de adesão às terapêuticas. Para isso é indispensável contar com mais conhecimento e mais especialistas em comportamento na definição de políticas e nos cuidados de saúde primários, como são os Psicólogos e Psicólogas.

Aos avós que já não estão entre nós e aos que ainda por cá andam e animam a vida dos seus netos.

Bastonário da Ordem dos Psicólogos

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)