Rádio Observador

Saúde

Para uma cobertura universal da saúde

Autor
161

Só há pouco tempo têm ganho visibilidade as lacunas no acesso a serviços prestados por psicólogos, seja relativamente ao bem-estar físico, mental e social, seja ao nível das perturbações mentais.

A propósito do dia mundial da saúde é importante salientar alguns aspectos mais esquecidos da saúde. A Organização Mundial da Saúde (OMS) consagrou como tema este ano, a cobertura universal de saúde, reforçando o objectivo de assegurar que todos obtêm os cuidados de saúde próximos, próximos em tempo (quanda necessitam), próximos em local (na sua comunidade), próximos da sua situação (o que necessitam). Importa também relembrar a definição de saúde da OMS, enquanto “estado de completo bem-estar físico, mental e social e não só a ausência de doença ou enfermidade”.
Portugal tem um bom Serviço Nacional de Saúde (SNS) quando se comparam indicadores com o resto do Mundo. É já um lugar comum dizer que o SNS é uma das principais conquistas da nossa Democracia mas não é demais relembrar a importância da sua existência e mais ainda da sua preservação, desenvolvimento e da garantia de uma efectiva cobertura universal. É certo que o SNS pode não ser a única forma de garantir a cobertura nos termos defendidos pela OMS e por nós compartilhados, mas é parte indispensável e central. Para que a proximidade seja uma realidade temos que trabalhar em conjunto para garantir a continuidade de investimento e do reforço de meios nos cuidados de saúde primários, como absoluta prioridade, salvaguardando assim a aposta na prevenção, na literacia e no acesso aos cuidados mais básicos de saúde.
Acresce que a saúde não se esgota na saúde física como declara a OMS. Daqui resulta que para cumprir com a definição de saúde e com a cobertura universal de saúde, pese embora tudo (e que é muito!) o que já alcançámos, muito temos ainda que fazer. Só nos últimos anos tem ganho crescente atenção da população e dos decisores políticos a importância da prevenção e de se olhar e intervir nas causas comportamentais de muitas doenças, como são exemplo a diabetes, a hipertensão, a depressão, a ansiedade ou a obesidade. Só há pouco tempo tem ganho mais expressão e visibilidade as lacunas no acesso a serviços prestados por psicólogos, seja relativamente ao bem-estar físico, mental e social e aos hábitos de vida com ele relacionados, seja na intervenção ao nível das perturbações mentais. Sem criar condições para que os cidadãos, particularmente os mais fragilizados, tenham acesso a este tipo de cuidados de saúde e prevenção, seja ao nível dos cuidados de saúde primários ou de projectos comunitários, seja nas organizações prevenindo e intervindo nos riscos psicossociais ou nas escolas ajudando na promoção do ajustamento, do sucesso escolar e de competências sócio-emocionais protectoras para um desenvolvimento e uma vida saudável não poderemos almejar sustentavelmente uma saúde universal física, mental e social.
Vivemos um momento decisivo no que à saúde diz respeito. Os cidadãos são, mais do que nunca, os primeiros responsáveis e actores na tomada de decisão necessária que garanta de mais e melhor saúde para as futuras gerações.
Bastonário da Ordem dos Psicólogos Portugueses

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde Pública

As vidas desfeitas pelo consumo de tabaco

Francisco Miranda Rodrigues
176

As campanhas públicas antitabágicas levam à redução do número de pessoas que começam a fumar, aumentam o número de fumadores que cessam o consumo tabágico, tendem a salvar vidas e a poupar dinheiro.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)