Extremismo

Como é que se diz “geringonça” em francês? /premium

Autor
  • Miguel Pinheiro
181

Pedro Marques foi avisado pelo seu ídolo europeu: os moderados não devem aliar-se aos extremistas de esquerda e direita que querem "destruir a UE". Mas o PS é muito diferente em Bruxelas e em Lisboa.

É uma antiga tradição portuguesa: só reconhecemos a verdade quando ela nos chega aos ouvidos em francês. O bom e velho Eça de Queirós já reconhecia que “a nossa arte e a nossa literatura vêm-nos feitas de França, pelo paquete, e custam-nos caríssimo com os direitos de alfândega”, e reconhecia: “Eu fui educado, e eduquei-me a mim mesmo, com livros franceses, ideias francesas… ideais franceses. Da gente portuguesa conheço apenas a alta burguesia de Lisboa – que é francesa – e que há-de pensar à francesa, se algum dia vier a pensar”.

Vamos, então, pensar à francesa, o que é sempre melhor do que não pensar. Para isso, basta pegar no exemplo do muito português Pedro Marques. O cabeça de lista do PS ao Parlamento Europeu entusiasmou-se há dias com o debate entre os dois candidatos à presidência da Comissão Europeia, Manfred Weber (que falou em inglês e, sendo do PPE, é um terrível neoliberal-extremista-populista-quase-fascista) e Frans Timmermans (que falou em francês e, sendo do PSE, é um adorável humanista-progressista-amigo-dos-pobres). Aliás, Pedro Marques entusiasmou-se tanto que se enganou duas vezes. Num tweet infeliz, escreveu primeiro que Timmermans propusera um “salário mínimo europeu” quando, na realidade, ele defendera apenas “salários mínimos para todos os europeus” — não é um detalhe, especialmente para quem se orgulha de ter no currículo político “contas certas”.

O segundo engano foi mais interessante. De acordo com Pedro Marques, no debate Timmermans disse “não aos extremismos” — quando, na realidade, o que ele disse foi “não às coligações com extremistas”. De qualquer forma, o mais relevante não é isso. O que realmente importa é saber quem é que Timmermans considera “extremista”. No debate, o candidato dos socialistas europeus falou sobre a extrema-direita, e muito bem — mas não parou aí. A frase foi dita em francês (lá está), mas, ao contrário do que acontecia no tempo de Eça de Queirós, não pagamos direitos de alfândega para a ouvir: “Também não vejo muito bem como se pode trabalhar com o senhor Mélenchon, que quer, também ele, destruir a União Europeia”.

Quem é este “senhor Mélenchon” que quer “destruir a União Europeia”? Trata-se do líder do partido França Insubmissa, que foi eurodeputado até 2017 e pertenceu ao mesmo grupo parlamentar da bloquista Marisa Matias. Trata-se do homem que se sentou ao lado da também bloquista Catarina Martins em Lisboa para assinar “as bases de um novo movimento político para enfrentar a austeridade e os tratados promovidos pelas ‘elites de Bruxelas’” — o movimento chama-se “Agora, o povo” e, como já se percebeu, parte dessa premissa básica do populismo que é dividir o mundo entre o “povo” e as “elites”. Trata-se, enfim, de Jean-Luc Mélenchon, o novo grande amigo do Bloco de Esquerda (depois de Tsipras se transformar num terrível traidor da causa), que participa com entusiasmo e empenho em inúmeras iniciativas do partido.

O aviso do ídolo europeu de Pedro Marques é, portanto, contra o populismo de extrema-direita e, também, contra o populismo de extrema-esquerda. Quando Timmermans diz “não às coligações com extremistas” está a aconselhar que as forças moderadas não se juntem a extremistas como Le Pen e seus aliados, nem a extremistas como Mélenchon e seus aliados. Alguém sabe como é que se diz “geringonça” em francês?

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mpinheiro@observador.pt
Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Crónica

Partir A. Ventura /premium

José Diogo Quintela
814

Ventura quer mudar o sistema por dentro. É uma espécie de supositório humano: faz-se introduzir no organismo para depois exercer a sua influência. Ei-lo metade glicerina, metade convicção ideológica.

Extremismo

A caixa de Pandora

Luís Filipe Torgal
336

Não é preciso ser historiador, mas é necessário saber História, para compreender que a humanidade está prestes a colidir de novo com um icebergue. Os sinais não enganam. 

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)