Eutanásia

Compaixão ou impiedade?

Autor
  • Luis Teixeira

Nenhum debate sério sobre a eutanásia pode deixar na sombra este ponto: ao contrário do que é dito, a eutanásia não é um problema de compaixão, mas de interesse. Não de quem parte, mas de quem fica.

A defesa intransigente da vida ou a aceitação do suicídio não definem por si só a civilização ou a barbárie. Cristãos e hindus condenam o suicídio. Os romanos e os samurais japoneses respeitavam-no. Também não é evidente que a razão porque o cristianismo condena o suicídio (porque a vida pertence a Deus e não ao homem que a vive) dignifique quem a aceita. E certamente que o conceito japonês de seppuku não avilta quem o pratique.

O problema central da eutanásia não é, porém, o problema do suicídio. É um erro deixar que a discussão sobre a eutanásia se centre na pessoa que quer morrer, ou pede para morrer. Os que são a favor evocam a “liberdade de morrer”. Os que estão contra agitam o “dever de viver”. Discute-se se alguém pode, por razões filosóficas ou religiosas, impedir outra pessoa de morrer, e está bem de ver que, posta assim a questão, mesmo os mais fervorosos crentes terão dificuldade em defender que se deve forçar alguém a viver. A discussão, contudo, assenta numa falácia, porque, na eutanásia, não se trata de “deixar morrer” e sim de “fazer morrer”. Não é uma omissão que se pede, mas uma acção positiva.

Quem está em jogo não é, portanto, quem morre mas quem ajuda a morrer. O que está em questão não é o direito a morrer da pessoa que sofre; são as motivações de quem ajuda a morrer. Nenhuma discussão séria sobre a eutanásia pode deixar na sombra este ponto: ao contrário do que geralmente é dito, a eutanásia não é um problema de compaixão, mas de interesse. Não de quem parte, mas de quem fica. Nos Países Baixos, onde a eutanásia é legal desde 2002, a verdade começa a emergir: já não são os doentes em sofrimento que são eutanasiados, mas os velhos, os fracos e os pobres de espírito. E já não é necessário que o próprio o queira porque a vontade pode ser presumida por terceiros.

Há e houve sempre culturas assim, em que os velhos são deixados morrer e os fracos são eliminados. São culturas da escassez, onde a impiedade é condição de sobrevivência e a vida não ultrapassa o estado de necessidade. Não é essa a nossa herança. A sacralização da vida não é uma bizarria. É um dique contra a barbárie. Lamento os que sofrem. Mas preocupam-me mais os que, em nome deles, hão-de a seguir ser eutanasiados pelas razões do costume: custos, falta de tempo, comodidade.

PS – Sobre este tema, é imperativo um referendo. A decisão não pode ficar entregue a 230 pessoas que nunca disseram o que pensam sobre este assunto e de quem, em muitos casos, é lícito suspeitar que não pensam.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Bloco de Esquerda

A impureza de Pureza /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
939

A Igreja católica deve imitar a misericórdia do seu divino fundador para com os pecadores, mas também o seu enérgico repúdio do farisaísmo.

Eleições

A voz e o voto pró-vida em Portugal

José Maria Seabra Duque
209

Vamos entrar em ano de eleições, primeiro europeias, depois legislativas, e a Federação Portuguesa pela Vida vai lançar um questionário a todos os partidos e cabeças de listas que a elas concorrerem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)