passeio aleatório

Contra argumentos não há factos

Autor
361

Todos os indicadores, em especial os estudos internacionais, mostram um grande avanço na educação mas é agora, quando os sucessos são evidentes, que os “especialistas” dizem que tudo precisa de mudar.

A frase ‘contra factos não há argumentos’ é bem conhecida. Mas há quem funcione ao contrário. Para alguns, os factos não contam. Só interessam os argumentos. Ou, como dizem, misturando pós-modernismo com desfaçatez, o que interessa é a ‘narrativa’.

Assim estão alguns atores políticos e alguns agentes educativos.

Lembram-se do que alguns políticos e ditos especialistas em educação diziam no princípio deste século, quando muitos, entre os quais o autor destas linhas, falavam em crise na educação? Diziam que era “catastrofismo”, que “tantos zeros e tantas negativas” não eram sinal de crise no ensino da matemática, lamentavam que os indicadores “alimentem mediaticamente a opinião pública” e diziam que não éramos “nem piores nem melhores” que os outros.

Quem tiver dúvidas e quiser ler uma surpreendente coleção de declarações de responsáveis políticos e educativos da época pode ler as citações que coligi nas páginas 21 a 27 do meu livro “Eduquês”.

Relembremos alguns factos. Qual era a situação relativa do nosso país? No TIMSS, em matemática do 4.º ano, de entre os países participantes, estávamos no antepenúltimo lugar com 475 pontos. Atrás de nós, havia apenas a Islândia e o Irão.

No PISA, em 2000, de entre os países participantes que pertenciam então à OCDE, Portugal ocupava a antepenúltima posição em ciências e a leitura. Em matemática, só tinha três países atrás.

A taxa de abandono escolar precoce era 43,6% em 2000. Quer isto dizer que apenas 56,4% dos jovens entre os 18 e os 24 estavam a estudar ou tinham completado o Secundário. Na União Europeia apenas Malta tinha um resultado pior.

Em 2000, as taxas de reprovação eram escandalosamente altas. Atingiam cerca de 10% no 4.º ano, 16% no 9.º e 50% no 12.º.

Neste quadro triste, desde a Presidência da República ao Conselho Nacional de Educação, criticava-se o “catastrofismo”e dizia-se que não, que a educação não estava em crise! Eram os críticos que estavam enganados.

Entretanto, tudo ou quase tudo melhorou. Fruto de um esforço persistente das escolas, dos professores, dos pais e de vários governos, chegámos a 2015 com um panorama totalmente diferente.

No TIMSS, em matemática do 4.º ano, passámos do antepenúltimo lugar para um lugar cimeiro, acima da média, com 36 países atrás de nós. Passámos de 475 para 541 pontos. Passámos à frente da mítica Finlândia!

No PISA, das últimas posições ocupadas em 2000, passámos em 2015 para cima da média da OCDE. Em leitura, subimos de 470 para 498 pontos. Em matemática, progredimos de 454 para 492 pontos. E em ciências, passámos de 459 para 501 pontos.

A taxa de abandono escolar precoce melhorou, descendo dos 43,6% em 2000 para os 28,3% em 2010 e 13,7% em 2015. Passámos à frente da Espanha e da Itália.

As taxas de reprovação também melhoraram. Em 2015, no 4.º, 9.º e 12.º anos, desceram para 2%, 10% e 30%. Ou seja, no 4.º ano, e com a Prova Final da altura, reduziu-se a retenção para quase um quarto do que era; no 9.º e no 12.º, reduziu-se para dois terços do que era.

Se em vez de examinarmos esses anos terminais de ciclo olharmos para as reprovações por ciclo, os resultados são igualmente impressionantes. A conclusão é simples: com mais exigência e mais organização conseguiu-se que os alunos tivessem mais sucesso.

Em 2015, com as avaliações internacionais, tornou-se claro que as melhorias foram generalizadas. Ao contrário de muitos países e situações em que, quando as médias melhoram, os alunos mais fracos pioram e são deixados para trás, ou daqueles países e situações em que os alunos mais fracos melhoram, mas a insistência em reduzir as desigualdades piora o desempenho dos melhores alunos, ao contrário de todos estes casos, em 2015, a melhoria dos estudantes portugueses foi generalizada. Nem se “nivelou por baixo” nem se prejudicaram os melhores.

Portugal recebe um destaque particular do PISA também por essa razão. O relatório da OCDE de 2015 afirma na página 266: “Macau (China) e Portugal foram capazes de ‘elevar todos’ no desempenho em ciências, matemática e leitura relativamente à última década, aumentando o número de alunos no topo e, ao mesmo tempo, reduzindo o número de estudantes nos níveis mais baixos. As suas experiências mostram que os sistemas educacionais podem nutrir os melhores e simultaneamente ajudar os estudantes com dificuldades.”

Esta melhoria em praticamente todos os indicadores educativos foi progressiva entre 2000 e 2015. Muitos fatores contribuíram para o progresso, mas o fator central foi o maior rigor e a maior atenção aos resultados.

Ou seja, foi o trabalho a montante e a jusante. A montante, foram programas sucessivamente mais bem estruturados e rigorosos, foram metas curriculares, foi a melhoria dos manuais escolares, obtida com um processo de avaliação e certificação, foi a atenção especial à matemática e ao português, que se consideraram justamente como matérias estruturantes, foram medidas de apoio especial aos alunos com mais dificuldades, foi o desenvolvimento de vias profissionalizantes. A jusante, foi a introdução sucessiva de uma avaliação mais rigorosa e frequente, com provas de aferição ou provas finais e exames em todos os fins de ciclo, foi a divulgação destes resultados, que permitiu corrigir o que não funcionava e ajudou todos, pais, escolas, professores, alunos, a empenharem-se para melhorar a educação. De uma maneira ou de outra, com problemas e desentendimentos, foi esta a orientação geral seguida de 2000 a 2015, qualquer que fosse o partido no governo.

O resultado foi um progresso que se manifesta em todos os indicadores educativos. Em educação, Portugal é um país diferente em 2015 do que era em 2000. Havia então um percurso muito longo a fazer, apesar de muitos terem tentado negá-lo. Ainda hoje há muito a melhorar, mas já não nos envergonhamos no panorama internacional.

Pois que nos dizem agora os mesmos que criticavam os “catastrofistas” de 2000? Dizem que não, dizem que tudo piorou.

E que solução oferecem? Continuar a progredir na linha do que se fez entre 2000 e 2015? Não. O que sugerem é que se eliminem os progressos e se retorne ao século passado, que se elimine o rigor dos programas e se abandonem as metas curriculares, que se flexibilize o currículo e se desvalorizem progressivamente os exames, que se esqueça a revisão e certificação dos manuais escolares, que se abandone a exigência e rigor dos conteúdos e se valorizem competências vagas.

Para quem os factos não contam, só interessam as narrativas. Não interessa o país?!

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
passeio aleatório

Curvas maravilhosas /premium

Nuno Crato

Ao contrário da presunção de alguma antiquada intelectualidade, os cientistas-autores portugueses dão lições de humildade e de capacidade de comunicação. E entre eles destaca-se Jorge Buescu. 

passeio aleatório

Duas surpresas do PISA /premium

Nuno Crato
184

Schmidt mostrou-nos números, dados e resultados e as suas conclusões são simplesmente o contrário do que tem frequentemente surgido em debates que não são baseados em factos, mas apenas em ideologia. 

passeio aleatório

Curvas maravilhosas /premium

Nuno Crato

Ao contrário da presunção de alguma antiquada intelectualidade, os cientistas-autores portugueses dão lições de humildade e de capacidade de comunicação. E entre eles destaca-se Jorge Buescu. 

passeio aleatório

Duas surpresas do PISA /premium

Nuno Crato
184

Schmidt mostrou-nos números, dados e resultados e as suas conclusões são simplesmente o contrário do que tem frequentemente surgido em debates que não são baseados em factos, mas apenas em ideologia. 

passeio aleatório

Nunca tinha ido a Moscovo /premium

Nuno Crato
195

Na última edição do estudo TIMSS, em 2015, os nossos estudantes passaram à frente de 36 países, incluindo a Finlândia! Como é possível ter passado à frente do país modelo da educação europeia?

Exames Nacionais

Afinal, avaliar não faz mal /premium

Nuno Crato
538

Numa investigação estatística que incluiu 2 milhões de estudantes, 59 países e 6 inquéritos de 2000 a 2015, concluiu-se que os exames nacionais melhoram a aprendizagem. Algo de novo? Parece que sim!

Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)