passeio aleatório

Curvas maravilhosas /premium

Autor

Ao contrário da presunção de alguma antiquada intelectualidade, os cientistas-autores portugueses dão lições de humildade e de capacidade de comunicação. E entre eles destaca-se Jorge Buescu.

Ainda sobre o choque das eleições brasileiras, passei os olhos pela Folha de São Paulo e fiquei surpreendido com um artigo de opinião que aparecia em destaque na página 2 desse grande diário brasileiro. O colunista insurgia-se contra o programa social que o presidente eleito estava a revelar e, entre as suas críticas, que imaginava contundentes, dizia que esse programa social demonstrava “uma visão simplista dos problemas nacionais, à qual falta o conhecimento acumulado nos centros de estudo universitários”.

Não sei o que pensaria se fosse brasileiro. Mas brasileiro ou português, tais afirmações de um dito cientista social escandalizam-me. Estariam Lula ou Dilma a par do “conhecimento acumulado nos centros de estudo universitários”? Mereceriam ser eleitos por esse seu conhecimento?!

Ou será que os votos não devem ser confiados ao povo ignorante? A menos que tenham lido o “conhecimento acumulado nos centros de estudo universitários”… Ou seja, será que alguma “esquerda académica culta” resolveu aderir às teorias políticas de Platão, segundo o qual o melhor dos sistemas não é a democracia, mas sim o governo dos sábios?

Nao me espantaria que alguns eleitores possam ter visto nesta arrogância académica “culta” uma razão para votar contra quem quer que seja que este “cientista social” e os seus amigos possam ter apoiado. O pior é que a arrogância não é exclusiva de alguns intelectuais brasileiros.

Ainda hoje me lembro, com bastante revolta, das horas e horas, durante anos, em que, depois de ter assistido a algumas sessões de literatos e sociólogos “cultos”, tentava perceber o que diziam e tentava colmatar a minha ignorância com leituras dos seus textos. Era então muito jovem e estavam na moda Baudrillard, Foucault, Derrida e outros autores opacos, tal como estavam na moda certos críticos literários “cultos” que, afinal, não falavam de literatura, mas sim de uma “cultura crítica”, e falavam sempre com o olhar fito num horizonte etéreo e com um meio sorriso, sempre acima dos outros, que não os poderiam alcançar.

Na altura também, a cultura científica era menosprezada, como era menosprezado o esforço de alguns para divulgarem as conquistas da ciência. Bento Jesus Caraça, grande homem da cultura científica, era poupado, certamente porque estava do lado do povo, e Rómulo de Carvalho, grande divulgador da ciência e da técnica, era muito apreciado mas era também poeta, e talvez isso lhe conferisse o título de intelectual. Enfim…

Quem não tenha vivido estas épocas passadas, ou não tenha conhecido alguma “intelectualidade” arrogante achará estranho tudo o que estou a descrever. Ainda bem! Hoje os tempos são outros. A ciência é maioritariamente considerada parte essencial da cultura, e a divulgação científica é respeitada.

Entre nós, o moderno ponto de viragem coincidiu, ou iniciou-se, tanto quanto posso observar, com o aparecimento de uma editora e de um homem: refiro-me obviamente à Gradiva e ao seu editor, Guilherme Valente. A Gradiva multiplicou entre nós traduções de elevada qualidade de obras de Carl Sagan, Stephen Hawking, Hubert Reeves e de muitos outros representantes de uma literatura científica nova, com autores que são grandes cientistas e, ao mesmo tempo, grandes escritores. Incentivou o aparecimento de cientistas-autores portugueses.

Surgiu então entre nós uma geração de homens de mulheres de ciência que juntaram ao conhecimento das matérias da sua especialidade e ao trabalho de investigação de nível internacional uma outra atividade: a divulgação científica.

Por contraste com o ambiente do passado que descrevi, estas pessoas falam uma linguagem simples, preocupam-se em tornar acessíveis temas difíceis, têm sentido de humor, não se julgam superiores aos que desconhecem as suas matérias, têm prazer quando se fazem compreender. Falam com intelectuais tal como falam com jovens, fazem palestras na Gulbenkian tal como fazem sessões de divulgação em escolas de província. Têm gosto nessa atividade humana nobre que é comunicar.

Entre essas pessoas conhecedoras e modestas destaca-se o nome do matemático Jorge Buescu. Talvez seja de todos nós o que melhor escreve. Sem brilho declamatório, mas com humor, simplicidade e uma extraordinária capacidade de juntar o seu talento de contador de histórias ao conhecimento profundo dos temas que discute.

Vários dos seus livros tornaram-se best sellers. Têm todos títulos fantásticos, que correspondem a um estilo cativante. Temos “O Mistério do Bilhete de Identidade”, “Casamentos e Outros Desencontros”, “Primos Gémeos e Triângulos Curvos”…

E temos agora “Curvas Ideais, Relações Desconhecidas e Outras Histórias da Matemática“. Peguei no livro e tive dificuldade em parar. Adormeci muito tarde nesse dia. As histórias que conta parecem mistérios policiais, e estão recheadas de informação sobre temas históricos e temas matemáticos. Aprende-se e tem-se oportunidade de ir mais longe, recriando alguns exemplos, fazendo algumas contas e pensando. Mas quem apenas queira divertir-se, divertir-se-á sem deixar de aprender. Pode-se pedir melhor?!

Recebi o convite para estar na apresentação do livro, feita no Caleidoscópio, em Lisboa, hoje, quarta, pelas 18 horas, mas tenho uma aula nessa hora, na outra ponta da cidade. Se fosse mais perto, julgo que seria bom para os meus alunos assistirem à apresentação do livro. Mas se quem me lê não tiver um compromisso inadiável, poderá ir e conhecer Jorge Buescu. A apresentação está a cargo de Henrique Leitão, conhecido historiador de ciência, e de Filipe Oliveira, presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática. Promete!

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
passeio aleatório

Duas surpresas do PISA /premium

Nuno Crato
184

Schmidt mostrou-nos números, dados e resultados e as suas conclusões são simplesmente o contrário do que tem frequentemente surgido em debates que não são baseados em factos, mas apenas em ideologia. 

passeio aleatório

Nunca tinha ido a Moscovo /premium

Nuno Crato
195

Na última edição do estudo TIMSS, em 2015, os nossos estudantes passaram à frente de 36 países, incluindo a Finlândia! Como é possível ter passado à frente do país modelo da educação europeia?

passeio aleatório

Duas surpresas do PISA /premium

Nuno Crato
184

Schmidt mostrou-nos números, dados e resultados e as suas conclusões são simplesmente o contrário do que tem frequentemente surgido em debates que não são baseados em factos, mas apenas em ideologia. 

passeio aleatório

Nunca tinha ido a Moscovo /premium

Nuno Crato
195

Na última edição do estudo TIMSS, em 2015, os nossos estudantes passaram à frente de 36 países, incluindo a Finlândia! Como é possível ter passado à frente do país modelo da educação europeia?

Exames Nacionais

Afinal, avaliar não faz mal /premium

Nuno Crato
538

Numa investigação estatística que incluiu 2 milhões de estudantes, 59 países e 6 inquéritos de 2000 a 2015, concluiu-se que os exames nacionais melhoram a aprendizagem. Algo de novo? Parece que sim!

passeio aleatório

O meu vizinho Philip Roth /premium

Nuno Crato
139

Morreu um dos maiores romancistas das últimas décadas. A emigração portuguesa em Newark conhece bem o ambiente dos seus romances. Mas talvez o sentido de tolerância nos leve bem mais perto do escritor

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)