Ainda sobre o choque das eleições brasileiras, passei os olhos pela Folha de São Paulo e fiquei surpreendido com um artigo de opinião que aparecia em destaque na página 2 desse grande diário brasileiro. O colunista insurgia-se contra o programa social que o presidente eleito estava a revelar e, entre as suas críticas, que imaginava contundentes, dizia que esse programa social demonstrava “uma visão simplista dos problemas nacionais, à qual falta o conhecimento acumulado nos centros de estudo universitários”.

Não sei o que pensaria se fosse brasileiro. Mas brasileiro ou português, tais afirmações de um dito cientista social escandalizam-me. Estariam Lula ou Dilma a par do “conhecimento acumulado nos centros de estudo universitários”? Mereceriam ser eleitos por esse seu conhecimento?!

Ou será que os votos não devem ser confiados ao povo ignorante? A menos que tenham lido o “conhecimento acumulado nos centros de estudo universitários”… Ou seja, será que alguma “esquerda académica culta” resolveu aderir às teorias políticas de Platão, segundo o qual o melhor dos sistemas não é a democracia, mas sim o governo dos sábios?

Nao me espantaria que alguns eleitores possam ter visto nesta arrogância académica “culta” uma razão para votar contra quem quer que seja que este “cientista social” e os seus amigos possam ter apoiado. O pior é que a arrogância não é exclusiva de alguns intelectuais brasileiros.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.