Não, nunca tinha ido a Moscovo. Nada contra. Nenhuns preconceitos. Mas a viagem é longa, cara, e ainda não me tinha calhado. Fui agora, a convite, para falar numa conferência internacional sobre o Ensino. Pediram-me para falar sobretudo sobre a preparação dos estudantes antes da entrada na universidade. Estão impressionados com os resultados que os alunos portugueses obtiveram nas últimas avaliações internacionais, de 2015. Estão eles, tal como muitos outros peritos, de muitos países. Pelos mesmos motivos fui ainda este ano a conferências em São Paulo, Londres, Rio de Janeiro, Cidade do México, Varsóvia e noutros locais.

Tenho orgulho nisso, como julgo ser natural que todos tenhamos. Portugal partiu de uma situação muito fraca, nesta transição de século, e passou a estar no radar da educação mundial. Em 1995, quando participámos no estudo TIMSS em matemática do 4.º ano, apenas dois países ficaram pior colocados que nós: a Islândia e o Irão. Na última edição deste estudo, em 2015, os nossos estudantes passaram à frente de 36 países, incluindo a Finlândia! Como é possível ter passado à frente do país modelo da educação europeia?

Progressos semelhantes foram conseguidos no estudo PISA, da OCDE. Em 2000, quando se iniciou esse estudo, ficámos muito atrás da média dos países participantes. Em 2015, ultrapassamos a média da OCDE em todas as áreas, e obtivemos a especial honra de termos sido um dos únicos dois países que conseguiram, simultaneamente e significativamente, aumentar o número dos estudantes no topo e reduzir o número dos estudantes nos percentis inferiores. Quer dizer, ao contrário dos outros países em que as melhorias são provocadas pela subida dos melhores à custa dos menos bons, ou pela subida dos menos bons, à custa dos melhores, Portugal conseguiu que melhorassem todos.

Nicolau Gogol por F. Moller (1840) e Retrato de Mussorvski por I.E Repin (1881), Galeria Tretyakov

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.