Rádio Observador

União Europeia

Na nova Comissão, Portugal deve escolher a pasta da Agricultura

Autor
  • Eduardo Oliveira e Sousa
202

É o momento de reafirmarmos a importância que a Agricultura tem numa Europa que soube, através de uma verdadeira política comum, garantir comida para todos e a preços baixos. Nem sempre assim foi.

Agora que é conhecida a Presidente da Comissão Europeia para os próximos cinco anos, a Sra. Ursula von der Leyen, ministra da defesa alemã, é altura de percebermos qual a pasta que Portugal deve escolher e exigir face ao futuro próximo que temos por diante.

Conhecendo a influência dos países maiores como a França, Alemanha, Espanha, e mais recentemente a Polónia e também outros países mais a leste, as pastas mais emblemáticas estarão já asseguradas ou comprometidas. A agricultura, contudo, sendo uma pasta da maior relevância para a União, é habitualmente atribuída a um país pequeno: o actual comissário é da Irlanda, o anterior da Áustria.

Também a geografia e os interesses geoestratégicos têm peso nestas escolhas e o facto é que nunca houve um país do Sul a assumir esta pasta. Ora, se há ocasião em que a agricultura terá destaque e pragmatismo na condução política da UE, é agora. Assuntos como as alterações climáticas, a água e as secas, o sequestro de carbono, o relacionamento com o Mercosul e o Canadá, as relações comerciais de produtos alimentares com a China, Israel ou África do Sul, e muito especialmente todos os assuntos relacionados com sanidade animal e segurança alimentar, são temas em que a Europa vai ter de intervir através de quem domine, não apenas os próprios assuntos e respectivos dossiês, mas muito especialmente quem conheça bem a “casa e os seus  corredores”. A região mediterrânica tem neste complexo puzzle uma importância e vulnerabilidade acrescidas. Portugal deve escolher a pasta da Agricultura.

A CAP há muito defende que o sector agrícola no seu conjunto é um pilar estratégico para o desenvolvimento económico do País. Os números mais recentes referentes às exportações demonstram-no e os agricultores vêm acompanhando a evolução e revolução tecnológica gigante que o mundo vem desenvolvendo nesta matéria. Nem sempre o sector é visto como o reconhecemos e defendemos, muito fruto de campanhas ideológicas que a sociedade nos tempos mais recentes vem alimentando nos chamados países desenvolvidos, ou do primeiro mundo, mas a realidade evidencia um planeta mergulhado num desafio alimentar sem precedentes, a braços com a necessidade de duplicar a sua capacidade produtiva em pouco mais de 30 anos, para fazer face a uma população estimada em perto de 10 biliões de pessoas em 2050. A Agricultura, conjugada e em estreita relação com valores de protecção ambiental, queiramos ou não, é a base das soluções, nunca a causa dos problemas.

Aqui chegados é o momento de reafirmarmos a importância que a Agricultura tem numa Europa que soube, através de uma verdadeira política comum, garantir comida para todos e a preços baixos, de tal forma que as pessoas se habituaram a considerar que a alimentação está assegurada e esquecem-se que nem sempre assim foi. Importa garantir que essa segurança se mantenha e é por isso que a Política Agrícola Comum continua a mover os países e os seus governos com a veemência que é conhecida. Insisto, a pasta da Agricultura é das mais importantes.

No actual governo do Partido Socialista a pasta da Agricultura é ocupada por um homem que conhece bem Bruxelas e os tais corredores que acima refiro. Foi relator da última revisão da Política Agrícola Comum que chega agora ao seu final. Sabe bem o quão difícil é negociar dossiês complexos e abrangentes que incluem matérias tão diversas quanto as múltiplas actividades que se praticam numa Europa extensa e multifacetada. Foi inclusivamente agraciado pelo governo de França pelo resultado do seu trabalho em prol da Europa e da sua Agricultura. Resta-nos insistir, após o que acima escrevo, que Portugal deve reivindicar para si a pasta da Agricultura. A Europa não ficará seguramente indiferente a essa escolha, assim o nosso Primeiro Ministro também o considere.

Presidente da CAP

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)