Foi tudo muito rápido, como costuma acontecer nestas situações. Bastaram algumas notícias soltas sobre a vaga intenção da ministra da Justiça de dar mais poderes ao Ministério Público em casos de corrupção para o PS profundo vir mais uma vez mostrar, com a costumeira clareza, que não aprendeu nada.

O principal alvo da ira socialista é a delação premiada, que, nas sempre delicadas palavras do saudoso António Campos, é a versão moderna do “método fascista do bufo”. Não vale muito a pena perder tempo a explicar a António Campos a diferença entre colaborar com a polícia de uma ditadura ou com a polícia de uma democracia — mas sempre seria interessante ver como este insigne socialista aplicaria a sua visão do denunciante como bufo não apenas à corrupção mas também, por exemplo, à violência doméstica.

No seu combate feroz à delação premiada, o PS profundo não recorre apenas à História, invocando a ditadura — invoca também o Direito comparado. Com ar conhecedor, António Campos sussurrou há dias ao Público: “Aprendam com o que se passa no Brasil”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.