Rádio Observador

Agricultura

Pedido de reflexão de um jovem agricultor /premium

Autor
  • Filipe Castelo Branco
1.049

O olival tem permitido oferecer emprego a quem por cá quer ficar, e a pessoas de fora, promovendo o retorno ao interior. Proporciona ainda a captação de investimento, essencial ao desenvolvimento.

Orgulho-me de pertencer a uma geração que tem como bandeira a defesa do ambiente. Gerações anteriores lutaram pela liberdade e pelo desenvolvimento, agora chegou o tempo de defendermos um futuro razoável, com mais qualidade de vida, em respeito pelos outros e pelo Planeta que nos une.

Após terminar a minha Pós-Graduação no ISCTE, decidi, em 2011, voltar a Beja para dar continuidade ao trabalho que o meu pai desenvolve há mais de 20 anos no olival e na vinha, e iniciar a minha atividade na agricultura.

O nosso futuro coletivo passa por uma agricultura que corresponda às necessidades das pessoas, que gere riqueza sem destruir a terra, que garanta um Planeta aos nossos filhos.

Tenho a sorte de presenciar e participar na transformação que se vive no Alentejo. Há muitos anos que não se via um momento tão dinâmico como o de hoje, designadamente graças ao Alqueva. Hoje contrariamos os “Velhos do Restelo” que condenavam o Alentejo a uma pobreza endémica porque, justamente, produzimos mais e melhor e, com isto, fixamos as pessoas, damos nova vidas às vilas e cidades envelhecidas.

Contudo, em certos meios urbanos, têm surgido críticas, em particular de ordem ambiental, visando precisamente o olival enquanto “monocultura” – expressão que deixo entre aspas por nela não me rever.

Ter-se-ão, as pessoas que falam em “monocultura”, esquecido do Alentejo sem regadio? Um Alentejo pobre e desertificado, onde a diversidade cultural estava limitada aos cereais e onde não havia oportunidades para os jovens.

Poderemos falar em “monocultura” de olival, se, no Alentejo, se faz amendoal, nogueiral, pomares de romã, melão, beterraba, vinha, papoila e canábis medicinal, milho, trigo, cevada, girassol…? Usará o olival mais recursos hídricos do que as outras culturas? Quase todo o olival produzido no Alentejo está certificado em Produção Integrada, baseado em boas práticas agrícolas, há uma gestão racional dos recursos naturais e são utilizados mecanismos de regulação natural, contribuindo para uma agricultura sustentável.

Convido-vos a refletir: Podemos falar em “monocultura” no Alentejo? Será o olival, cultura autóctone, e, por isso, originária e adaptada ao meio ambiente, prejudicial para o mesmo?

Em que estudos científicos nos baseamos? Temos alternativas viáveis? Será razoável exigir ao agricultor que diversifique a sua atividade sem que tenha infraestruturas, e, mais importante, procura por parte do mercado?
O olival tem permitido oferecer emprego a quem por cá quer ficar, e a pessoas de fora, promovendo o retorno ao interior. Proporciona, ainda, a captação de investimento interno e externo, essencial ao desenvolvimento das regiões.

Existe a ideia de que o olivicultor procura o lucro fácil a qualquer custo. Não é verdade. Como qualquer agricultor, o olivicultor pretende o sucesso do seu negócio, e sabe que o seu principal investimento não é a cultura, o trator ou a alfaia, é a terra. E a terra e a sua generosidade são limitadas, sem elas não há agricultura.
Enquanto agricultor, sou o primeiro a preocupar-me com a sustentabilidade e com o ambiente. O meu modo de vida e o futuro depende dele – mas não nos podemos dar ao luxo de travar as batalhas erradas.

Filipe Castelo Branco é agricultor, associado da Olivum – Associação de Olivicultores do Sul

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Pelo direito à diferença

José Miguel Pinto dos Santos

Excetuando as geradas por injustiças sociais, todas as outras diferenças devem ser bem-vindas pois trazem variedade à vida, porque permitem o livre desenvolvimento individual e porque não são injustas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)