Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Na passada quinta-feira, decorreu no Palácio da Cidadela de Cascais a 4ª Palestra e Jantar Winston Churchill do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa. Um dos aspectos mais marcantes foi a surpreendente sintonia entre a intervenção do orador convidado (John M. Owen, IV, da Universidade de Virginia), que falou antes do jantar, e Marcelo Rebelo de Sousa — que falou depois do jantar, não tendo podido assistir à palestra, dado que a sua última Aula de Sapiência na Universidade de Lisboa se prolongara muito para lá do previsto.

Seria difícil resumir aqui os argumentos do professor americano e do nosso Presidente da República. Mas pode seguramente ser dito que, sem conhecerem as intervenções um do outro, convergiram vincadamente em pelo menos quatro pontos centrais.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.