Logo Observador
PT

Morgan Stanley posiciona-se em três frentes na PT

115

Banco de investimento está a assessorar a Altice, que quer comprar a PT Portugal, emite notas de recomendação sobre a Portugal Telecom para os seus clientes e é acionista de referência da PT.

Morgan Stanley tem 2,38% do capital da PT

Getty Images

A Altice, sociedade luxemburguesa controlada pelo multimilionário Patrick Drahi, quer comprar a PT Portugal e contratou o Morgan Stanley para a assessorar. Na sexta-feira, o Morgan Stanley enviou uma nota de análise aos seus clientes em que avaliava a Portugal Telecom em 0,79 euros por ação. O mesmo Morgan Stanley, presidido por James P. Gorman, é um dos acionistas de referência da Portugal Telecom. No início de setembro, a Portugal Telecom comunicou ao mercado que o Morgan Stanley tinha 2,38% do capital social da empresa portuguesa, obtidas através de um empréstimo.

O envolvimento entre a Altice e a Morgan Stanley é antigo. Antes de ingressar na Altice em 2009, Dexter Goei, o presidente executivo, esteve dez anos no Morgan Stanley. Depois de 25 anos também no Morgan Stanley, Scott Matlock reformou-se aos 49 anos e tornou-se administrador não-executivo da Altice.

A Altice, que se encontra cotada em Amesterdão, controla várias participações no setor das telecomunicações. Além de ser dona das portuguesas Cabovisão e da Oni, tem subsidiárias em França, Israel, Bélgica, Suíça e Caraíbas.

O Observador contactou o Morgan Stanley para aferir o risco de conflito de interesses, mas, até ao momento, não obteve resposta.

Às 15h00 de Lisboa, enquanto as ações da Portugal Telecom cotavam a 1,035 euros, menos 14,74% do que no final da sessão bolsista de sexta-feira, os títulos da Altice caiam 0,09% para 43,61 euros. Durante a sessão desta segunda-feira, a PT chegou a valer menos do que o empréstimo que fez à Rioforte. À mesma hora, as ações ordinárias da brasileira Oi, que está num processo de união com a PT, desvalorizava-se 7,63% para 1,21 reais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dalmas@observador.pt
TSU

PSD entre os apuros do PS e a desorientação

Maria João Marques

Será que o PSD tem como alfa e ómega um défice orçamental baixo, obtido através de uma carga fiscal arrasadora que compromete a competitividade e o crescimento económico?