Logo Observador
Lisboa

‘Robin das Artes’ tirou quatro quadros do Chiado e deu-os ao Miratejo

25.403

Quatro obras da exposição "Coming Out" foram furtadas no Chiado e apareceram este fim de semana na margem sul. "Não é roubo, é um deslocamento", diz o 'Robin'. Um deles foi tirado da parede da PSP.

Em dois meses, desapareceram 14 dos 31 quadros da exposição “Coming Out”, que o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) espalhou pela Baixa de Lisboa. O “Retrato do Conde de Farrobo”, o “São Damião”, o “Retrato do Senhor de Noirmont” e “Conversação” estão entre as réplicas furtadas, mas estas quatro continuam à vista de todos. Só que agora é preciso atravessar o rio Tejo para vê-las. “Não é um roubo, é um deslocamento”, diz ao Observador um dos autores do desvio.

O quadro mais difícil de furtar não foi aquele que os dois jovens (que não querem ser identificados) levaram da parede da PSP, na Rua Capelo. Foi o primeiro, o “São Damião” de Bartolomé Bermejo, na Travessa dos Teatros. “Achávamos que ia ser complicado, estávamos nervosos mas foi muito fácil. Foi só desaparafusar”, recorda, entre risos nervosos.

“São Damião” tem 1,65 metros de altura. Os dois rapazes esperaram pelas quatro da manhã e levaram um escadote, porque não chegavam aos parafusos superiores. “Foi à justa que coube no carro”, conta. O objetivo do furto estava traçado desde o início: colocá-lo perto de casa, num bairro entre o Laranjeiro (Almada) e Miratejo (Seixal). “Gostámos muito da atividade do museu e achámos que devia ser alargado a outros sítios”.

coming out arte

“São Damião” deixou o Chiado e mora desde 27 de novembro num prédio social. Foto cedida ao Observador por André Costa

Quem também parece ter gostado foram os moradores do bairro situado junto da Avenida Professor Rui Luís Gomes, que no dia 27 de novembro começaram a reparar na novidade. “Ninguém tentou levar nem vandalizar, está intacto. Há pessoas que disseram que era o quadro mais bonito que já tinham visto”, conta o autor da mudança, que considera que, ali, a pintura “ganha outra magnitude”. “São Damião” foi colocado num prédio social com cimento cola na moldura, “para não danificar o edifício”. Também neste caso, os dois esperaram pela madrugada.

Enquanto o rapaz pensava na melhor forma de tornar público o quadro, um vizinho foi a sua casa e reparou no objeto estranho. “Gostou e até me estava a oferecer dinheiro por ele”, recorda. Mas não cedeu. “A ideia sempre foi partilhar. Não é um roubo, é um deslocamento”, defende este ‘Robin das Artes’.

A receção dos moradores foi tão boa que os dois começaram a imaginar mais obras de arte por ali. “Não no mesmo prédio mas no Largo. Fazer uma espécie de galeria para a comunidade”, conta. Novamente de madrugada, foram ao Largo do Picadeiro buscar o “Retrato do Conde de Farrobo”, cujo original foi pintado por Domingos António de Sequeira. “Conversação” foi tirado há poucos dias da entrada da Rua da Rosa. O mais arriscado terá sido o “Retrato do Senhor de Noirmont”, não só porque tem 1,38 metros de altura mas também porque foi tirado “nas barbas da polícia”, admite, já que o quadro estava pendurado na parede da esquadra da PSP da Rua Capelo.

_IGP1053_

Desde este sábado que as pessoas reparam no novo ‘morador’, o “Conde de Farrobo”. Foto cedida ao Observador por André Costa

Desde que o MNAA começou a exposição “Coming Out – e se o museu saísse à rua?“, no final de setembro, já desapareceram 14 réplicas. Pela mão do ‘Robin das Artes’, não deverá desaparecer mais nenhuma. “Já passámos a ideia. Até porque já não temos como tirar os outros [risos]”. Como último desejo, gostava que os quatro quadros “levassem gente de fora ao bairro” para os ver, tal como acontece no Chiado.

“É a cereja em cima do bolo”

António Filipe Pimentel, diretor do MNAA, não só não fica chateado como considera que a pequena galeria de bairro é uma ideia “divertida”. “Este fenómeno que está a relatar é a cereja em cima do bolo”, comenta com o Observador. “É de facto muito engraçado transportar a ‘Coming Out’ para a rua do seu próprio bairro!”, diz a rir. Com um pormenor: “Pensar que o ‘Noirmont’ é retirado da parede da PSP é no mínimo uma aventura, tem a frescura de um ato de juventude”.

Já em roubos passados o diretor tinha reagido de forma positiva porque também os furtos são parte da experiência a que se propuseram. Não só pela visibilidade que tem dado ao museu — António Filipe Pimentel considera mesmo que a “Coming Out” é a iniciativa do museu com maior impacto de sempre. Mas também porque fica feliz pela forma como a cidade tem interagido com a arte.

“Eu achava que a exposição não durava 48 horas. O receio coletivo era que seria vandalizada e o que acontece é exatamente o contrário, uma apropriação da exposição pelas pessoas, em vários registos, mas sempre positivos”, sublinha, referindo-se ao facto de as pessoas levarem as obras porque gostam delas e de não haver quadros grafitados ou estragados. “É um sentimento afetivo, que pode ser egoísta por ser para posse privada, mas os afetos são egoístas por natureza!”, remata.

Através de uma amiga, António Filipe Pimentel ficou a saber que um dos primeiros quadros desaparecidos tinha sido levado por um rapaz que o ofereceu à namorada. “Foi insultado por ela e pelos amigos!”, diz, entre risos. Para o diretor, isso diz coisas boas da sociedade. “Estas zonas da movida jovem têm uma fruição muito mais qualificada do que as pessoas julgam”.

No final da exposição, o museu vai publicar um catálogo com todas as experiências e interações da cidade. Mas não só. “Reservámos para o final uma coisa que ainda não posso desvendar. Nessa altura pode ser que estes jovens possam reconsiderar e devolver as obras”, diz. Até lá, “vai ser engraçado ver como é que os quadros resistem no bairro”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: socoelho@observador.pt