Governo

Fitch diz que rascunho do Orçamento pode ser “irrealista” e ameaça descer o rating

4.406

A agência de rating afirma que as previsões do governo quanto ao crescimento e ao défice podem ser demasiado "otimistas" e "irrealistas". E ameaça descer o rating perante um mau desempenho.

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

A agência de rating Fitch divulgou um comunicado em que diz que as previões do governo português, apresentadas no esboço do Orçamento de Estado para 2016, podem ser demasiado “otimistas” e “irrealistas”. A agência alerta que pode baixar o rating de Portugal (que neste momento se encontra em BB+) perante uma “trajetória menos favorável” das contas públicas nacionais.

No comunicado enviado à imprensa, os analistas da Fitch que seguem Portugal, Federico Salazar e Douglas Renwick, afirmam que o primeiro rascunho para o Orçamento do Estado, revelado na semana passada, “pretende manter a consolidação fiscal, mas é baseado em previsões de crescimento, de receita e de planos de despesas que se podem vir a revelar irrealistas“.

Ainda que elogiando o compromisso do governo português em cumprir as regras europeias, a agência alerta que as suas previsões para o crescimento real do produto interno bruto (PIB) português é de apenas 1,7%, o que contrasta com as previões mais otimistas do governo, que apontam para um crescimento de 2,1%. Também na dívida pública, a Fitch desconfia das previsões: o Governo prevê que esta caia para 126% do PIB em 2016, ao passo que a agência prevê que se fique pelos 127,9%.

“Os dados recentes não indiciam nenhuma melhoria notável nas taxas de crescimento e a expectativa de que o aumento da procura externa levará ao aumento das exportações pode vir a revelar-se otimista, dado o abrandamento dos mercados emergentes e o fraco crescimento da Zona Euro“, avisa a Fitch, que deixa ainda algumas críticas ao documento orçamental:

Algumas medidas na proposta não estão detalhadas, tornando pouco claro se o governo irá conciliar os seus objetivos de consolidação fiscal moderada com os seus compromissos pré-eleitorais de reverter as medidas de austeridade.”

A agência de rating lembra, ainda, que “as finanças públicas e a postura fiscal” do governo português são essenciais para eventuais alterações do rating do país. “Um relaxamento fiscal que resulte numa trajetória menos favorável nos níveis de dívida/PIB” ou “um crescimento mais fraco que tenha um efeito negativo nas finanças públicas” pode levar a “uma ação negativa de rating“, avisam.

Texto editado por Pedro Esteves

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Quem tem a palavra final? Costa ou Centeno?

Margarida Mano
284

As Finanças dizem não ter dinheiro para cumprir o prometido ao Ensino Superior. Daí a pergunta: vai a palavra dada pelo primeiro-ministro ser honrada? Ou impõe-se de novo a falta de liquidez do país?

Governo

Olh'ó boneco!

Helena Matos
426

O “Marcelo dos afectos” e o “Trump, pá" são os dois bonecos omnipresentes na nossa vida político-mediática. O primeiro foi eleito por nós mas não é responsável por nada. O segundo tem a culpa de tudo

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site