Banif

Banif. Ou Banco de Portugal dá avaliação ao caso BES ou deputados fazem queixa à PGR

146

Coordenadores da comissão de inquérito ao Banif dão última oportunidade ao Banco de Portugal para entregar autoavaliação ao caso BES. Mas se Carlos Costa não der relatório, segue queixa para a PGR.

TIAGO PETINGA/LUSA

A opção estava em cima da mesa, mas mesmo assim, os deputados optaram por dar uma última oportunidade ao Banco de Portugal para enviar à Comissão de Inquérito ao Banif o relatório que andam a pedir desde a comissão de inquérito ao BES. Caso Carlos Costa não envie à Assembleia o relatório com a avaliação interna sobre a atuação da supervisão no caso BES, os deputados vão fazer queixa à Procuradoria-Geral da República.

A decisão foi tomada esta tarde por unanimidade, durante uma reunião de coordenadores da Comissão de Inquérito ao Banif, apurou o Observador. Em causa está a entrega de um relatório interno do Banco de Portugal, feito com o apoio da consultora Boston Consulting Group (BCG), que avalia a atuação do supervisor no processo que conduziu à resolução do Banco Espírito Santo (BES).

Aos jornalistas, no final da reunião, o presidente da comissão, António Filipe, explicou que ficou mandatado a contactar as várias entidades para dar uma espécie de carta de conforto, dizendo que a comissão está sujeita à confidencialidade e por isso não há razão para que não recebam documentação essencial aos trabalhos, como o dito relatório do BdP: “Vou entrar em contacto com essas entidades para dar conta que é nosso entendimento que o segredo profissional não nos é invocável. Existe, deve ser respeitado, mas não é oponível à comissão”, explicou.

No prazo de dez dias depois do contacto, António Filipe espera receber uma resposta positiva e se não receber “há consequências caso isso não aconteça”, disse.

Agora, o presidente da comissão de inquérito vai repetir o pedido ao Banco de Portugal e se não obtiver resposta – ou se a resposta for negativa como até aqui – segue uma queixa formal por desobediência qualificada, apurou o Observador. Isto porque a comissão de inquérito tem características diferentes de uma comissão normal, tem poderes de investigação como as autoridades judiciárias, e pode pedir documentos ao abrigo de confidencialidade.

Além desta auditoria, a comissão espera receber alguns documentos em falta de várias entidades até terça-feira.

Este relatório já foi pedido por duas vezes pelo Parlamento. Da primeira vez, aquando da comissão de inquérito ao BES, o Banco de Portugal recusou enviar o documento invocando dever de segredo e proteção de terceiros. Fez sair apenas as recomendações que eram dadas ao regulador na sequência do relatório.

De acordo com o Jornal de Negócios, este documento de 600 páginas aponta para falhas na supervisão do caso BES que remontam aos mandatos de Vítor Constâncio à frente do Banco de Portugal. A avaliação interna concluiu que existia informação sobre as relações do banco com o Grupo Espírito Santo, maior acionista do BES, e sobre as operações em Angola, que não foi utilizada pela supervisão do regulador.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site