Logo Observador
Exposições

Um século depois, no Chiado: Amadeo regressa a Lisboa

1.007

Souza-Cardoso fez duas exposições polémicas em 1916, no Porto e em Lisboa. Depois do Soares dos Reis, é o Museu do Chiado que recria o momento. A curadora Marta Soares detalha seis das 81 obras.

Autor
  • Bruno Horta

Aconteceu há 100 anos. Amadeo de Souza-Cardoso era já um pintor reconhecido nos meios de vanguarda artística e tinha participado em exposições coletivas em Paris, Berlim ou Nova Iorque. Regressara a Portugal no início da I Guerra Mundial. E em 1916 expôs em nome próprio: primeiro no Porto, no Jardim Passos Manuel; depois em Lisboa, na Liga Naval Portuguesa.

Foram dois momentos históricos, marcados por críticas e polémicas em torno da ousadia estética de Amadeo – um artista plástico difícil de definir, que navegou pelo cubismo, impressionismo, futurismo e abstracionismo. Rezam as crónicas que houve no Porto quem cuspisse os quadros, tal a incompreensão perante as obras.

amadeo_de_souza_cardoso_with_tie_and_looking_right_770x433_acf_cropped

Amadeo de Souza-Cardoso

Um século depois, essas mesmas exposições estão a ser reabilitadas. Em novembro e dezembro, o Museu Nacional Soares dos Reis evocou a exposição nortenha de 1916 – com 90 obras, das 114 originais. Esta semana, o Museu do Chiado inaugura a recriação da mostra lisboeta centenária – com 81 quadros (52 de instituições pública, 29 de coleções privadas).

Intitulada “Amadeo de Souza-Cardoso/Porto Lisboa/2016-1916“, a exposição inaugura esta quarta-feira e abre ao público na quinta, 12, mantendo-se até 26 de fevereiro. A curadoria pertence às historiadoras Raquel Henriques da Silva e Marta Soares.

“Para esta exposição tivemos de estudar muito o contexto dos dois locais em que Amadeo expôs para percebermos de que modo esses espaços foram fundamentais para a receção das exposições”, explica Marta Soares.

No Porto, Amadeo teve uma enorme visibilidade, houve multidões a acorrer ao Jardim Passos Manuel. Em Lisboa, a polémica foi menor. Ele não foi agredido, ninguém cuspiu os quadros. Isso demonstra a diferença de públicos, mas também o facto de a Liga Naval, em Lisboa, ser um espaço mais resguardado”, acrescenta a curadora.

Além da exposição propriamente dita, o Museu do Chiado organiza um conjunto de seis conferências em torno de Amadeo. A primeira realiza-se no sábado, 14, às 16h00: “O Porto em 1916, o Jardim Passos Manuel e a exposição de Amadeo”, com moderação da museóloga Aida Rechena, diretora do museu, e a participação de Ana Paula Machado, Elisa Soares, Sónia Moura e Marta Soares.

Em jeito de antecipação, o Observador falou com a curadora Marta Soares e pediu-lhe que escolhesse e explicasse brevemente seis das obras que vão ser exibidas a partir desta semana.

“Tristezas cabeça”

cerca 1914-1915; óleo sobre cartão; 37 x 38,5 cm

“Vemos um rosto sombrio, um pouco expressionista, que parece encaixar na paleta muito colorida pela qual Amadeo se tornou conhecido. Estas cabeças que o pintor mostrava em vários quadros, mais ou menos no início da exposição de 1916, eram tão grotescas e sombrias que podem ter contribuído para a incompreensão dos visitantes há 100 anos.”

IMG_01

“Par Impar 1 2 1”

cerca 1915-1916; óleo sobre tela; 100 x 70 cm

“É um belo quadro, especialmente importante pela relação que parece estabelecer entre Amadeo e Almada Negreiros. A expressão do título surge num postal que o Amadeo envia a Almada, ainda antes de o conhecer pessoalmente, apoiando o Manifesto Anti-Dantas. Neste quadro, a figura humana surge automatizada, parece quase uma marioneta intersetada por varas. É uma via que Amadeo vai explorar em 1916, 1917: as varas que intersetam objetos.”

IMG_02

“Vida dos Instrumentos”

cerca 1916; óleo sobre tela; 70 x 50 cm

“Outro traço fundamental da exposição é a atribuição de vida aos objetos: nas naturezas mortas e sobretudo nos instrumentos musicais. Por volta de 1916, Amadeo está a trabalhar em torno desse animismo, da transferência de vida para os instrumentos musicais, enquanto os músicos surgem desumanizados, muito sombrios em algumas composições. É o período da I Guerra, como se os humanos estivessem esvaziados de alma e a vida tivesse sido transferida para os objetos.”

IMG_03

“Mucha”

cerca de 1915 – 1916, óleo sobre tela, 27,3 x 21,4 cm

“Talvez a palavra ‘Mucha’ [lê-se “muchá”] seja uma ironia com a expressão ‘na mouche’. De resto, há em muitos títulos desta exposição um jogo fino entre o francês e o português. A partir de 1916, Amadeo pega nas experiências cromáticas do pintor Robert Delaunay, que se encontrava em Portugal, e transforma-as. Em vez de desenvolver os discos órficos de Delaunay [uma superação do cubismo através da cor e da luz em múltiplas facetas e de forma circular], Amadeo como que os parodia, tornando os discos em alvos concretos, alvos de tiro. Ele está a descer à terra, transforma uma teoria em objetos.”

IMG_04

“A máscara de olho verde cabeça”

cerca de 1915-1916, óleo sobre tela, 55 x 39,5 cm

“Um pormenor desta pintura está a ser utilizado no cartaz da exposição do Museu do Chiado. É belíssimo. Em contraste com as cabeças sombrias que Amadeo criou para o início da exposição, este quadro é muito garrido. É uma antítese. Faz parte da série de cabeças, mas tem outras influências. Fala-se da máscara africana, mas também podemos pensar nas máscaras dos caretos de Podence, de Trás-os-Montes. A paleta é muito parecida, assim como o nariz. Há a possibilidade de Amadeo ter encontrado nesse costume tradicional português um estímulo para a sua pintura.”

IMG_07

“Arabesco dynamico = REAL…”

cerca de 1915-1916, óleo sobre tela, 100 x 60 cm

“O título é bastante longo e inclui intervenções gráficas, o que despertou curiosidade e polémica em 1916. Muitas críticas negativas então publicadas citavam este título como exemplo da excentricidade de Amadeo. Claramente, estava em diálogo com Santa-Rita Pintor, que também utilizava parêntesis nos títulos. Vemos neste quadro um ambiente mecanizado, com o pintor a explorar as relações com futurismo. Note-se a vaga sugestão de uma mão a segurar um instrumento musical. É um elemento muito camuflado e subtil.”

IMG_08

O Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado está aberto de terça a domingo, das 10h às 18h. Entrada: 4,5 euros. Gratuito no 1.º domingo de cada mês.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

O duro mistério de “Silêncio”

Guilherme d'Oliveira Martins

O tema crucial da obra de Scorcese é o da barreira cultural entre uma religião estrangeira e a cultura japonesa. O «Silêncio» é um filme tão difícil como o romance de Shusako Endo (1923-1996).

TSU

PSD entre os apuros do PS e a desorientação

Maria João Marques

Será que o PSD tem como alfa e ómega um défice orçamental baixo, obtido através de uma carga fiscal arrasadora que compromete a competitividade e o crescimento económico?