Logo Observador
Papa em Fátima

A canonização dos pastorinhos passo a passo

119

É este sábado que os pastorinhos de Fátima, Francisco e Jacinta Marto, vão ser canonizados. Saiba ao detalhe como vai ser o momento em que o Papa os vai declarar santos.

HENRIQUE CASINHAS / OBSERVADOR

A canonização dos pastorinhos Francisco e Jacinta Marto, na missa que o Papa Francisco celebra este sábado no Santuário de Fátima, será o ponto alto da peregrinação do pontífice a Fátima. Contudo, será uma celebração simples e muito rápida, que fica terminada nos primeiros minutos da cerimónia. Saiba, passo a passo, como será o momento a partir do qual Francisco e Jacinta se tornarão santos.

A missa começa, como normalmente, com o “Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo“, proferido pelo Papa Francisco, a que a assembleia responde com “Amen“.

As imagens de santos dos pastorinhos. Estas imagens estão também expostas na fachada da Basílica de Nossa Senhora do Rosário

Logo de seguida, em vez de se seguir para proclamação das leituras como habitualmente, é iniciado o rito de canonização, que começa com um cântico entoado pelo coro do santuário:

Veni, creator Spiritus
mentes tuorum visita,
imple superna gratia,
quae tu creasti pectora.

Qui diceris Paraclitus,
(ou Qui Paraclitus diceris)
altissimi donum Dei,
fons vivus, ignis, caritas
et spiritalis unctio.

No fim do cântico, o bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, acompanhado pela postuladora, irmã Ângela Coelho, faz a petição — o pedido formal pelo qual a Igreja pede ao Papa que torne os pastorinhos santos. Como a canonização não acontece em Roma, em vez de ser como habitualmente o cardeal Angelo Amato, prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, será o bispo de Leiria-Fátima, ordinário do lugar a fazer a petição. No fim, D. António Marto apresenta uma breve biografia dos pastorinhos.

Santo Padre,
pede a Santa Mãe Igreja
que Vossa Santidade inscreva os Beatos
Francisco Marto e Jacinta Marto
no Catálogo dos Santos
e, como tais, sejam invocados por todos os cristãos.

Segue-se a recitação das Ladainhas dos Santos, ou seja, a invocação de todos os santos da Igreja — ainda sem a inclusão dos novos santos, Francisco e Jacinta Marto. O coro canta o nome do santo e a assembleia responde “Rogai por nós”.

O texto que foi lido na cerimónia de beatificação, em 2000 (Fotografia: HUGO AMARAL/OBSERVADOR)

Só aqui é proclamada a fórmula da canonização pelo Papa, que diz o seguinte texto:

Em honra da Santíssima Trindade,
para exaltação da fé católica
e incremento da vida cristã,
com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo,
dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e Nossa,
depois de termos longamente refletido,
implorado várias vezes o auxílio divino
e ouvido o parecer
de muitos Irmãos nossos no Episcopado,
declaramos e definimos como Santos os Beatos
Francisco Marto e Jacinta Marto
e inscrevemo-los no Catálogo dos Santos,
estabelecendo que, em toda a Igreja,
sejam devotamente honrados entre os Santos.
Em nome do Pai e do Filho
e do Espírito Santo.

Amen

A partir deste momento, os pastorinhos passam a ser conhecidos como Santa Jacinta Marto e São Francisco Marto. As relíquias — um fragmento de osso de Francisco e uma madeixa de cabelo de Jacinta, que foram trazidas na procissão de entrada pela irmã Ângela Coelho, postuladora, e pelo vice-postulador, Pedro Valinho Gomes — são incensadas e passam a ser objeto de veneração. O momento termina com o canto do Glória. Depois, continua a missa normal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Política

O vídeo das nossas vidas

Helena Matos
904

Beija-mão presidencial ao Papa em Monte Real. Um primeiro-ministro a brincar às amas. O país olha para o lado. E indigna-se com o "Correio da Manhã". É a propaganda, senhores. É a propaganda.

Papa em Fátima

«Temos Mãe!»

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
700

É natural que os pais se alegrem com os êxitos dos seus filhos, mas não é comum que assumam as suas culpas quando sofrem a tristeza de um filho os ferir com a indignidade de um comportamento criminoso

Felicidade

Portugal

Paulo Tunhas

Acaso Fátima, o Benfica e o “Amar pelos dois” nos vão mudar, para melhor ou para pior, colectivamente, a vida? É claro que não. E pretender o contrário é pura e simplesmente falso.

Igreja Católica

O diabo existe… graças a Deus!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

As nossas representações do diabo são ‘figuras simbólicas’, mas não o próprio demónio, cuja realidade e actuação são verdades de fé reveladas na Bíblia.

Fogo de Pedrógão Grande

Morrer entre brutos é triste

Alberto Gonçalves
2.101

Portugal não cede à baixa política, leia-se permite a impunidade geral. Portugal, repete-se, é uma nação muito forte, leia-se um recreio de oportunistas, desnorteados ao primeiro assomo da realidade.