Crise Política no Brasil

Comissão parlamentar do Brasil aprova eleições diretas em caso de vacância da Presidência

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado do Brasil aprovou uma proposta que prevê eleições diretas em caso de vacância da Presidência da República decorridos até três anos do início do mandato.

No domingo passado, cerca de 100 mil pessoas participaram de um ato que pediu novas eleições

Mercia Goncalves/LUSA

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado (câmara alta) do Brasil aprovou esta quarta-feira uma proposta que prevê eleições diretas em caso de vacância da Presidência da República decorridos até três anos do início do mandato.

A lei visa alterar a Constituição do país, que atualmente prevê que a substituição do Presidente após dois anos de mandato deve ser decidida em eleições indiretas realizadas pelos membros do Congresso brasileiro. Se a proposta for aprovada em votação no plenário do Senado e, depois, pela Câmara dos Deputados (câmara baixa), uma eventual saída de Michel Temer da Presidência resultaria na realização de eleições diretas num prazo de até 90 dias.

É esta a conversa que pode comprometer Michel Temer

Michel Temer enfrenta uma grande crise política após terem vindo a público denúncias sobre o seu alegado envolvimento em crimes de corrupção delatados por executivos da empresa JBS. O chefe de Estado brasileiro também pode perder seu cargo se uma ação que corre no Supremo Tribunal Eleitoral (TSE) destituir e condenar candidatura conjunta com a ex-Presidente Dilma Rousseff, que venceu as presidenciais em 2014.

Nas últimas semanas, manifestações de rua têm juntado milhares de pessoas que exigem a realização de novas eleições diretas no Brasil. No domingo passado, cerca de 100 mil pessoas participaram de um ato que pediu novas eleições e a saía de Michel Temer da Presidência, que aconteceu na cidade do Rio de Janeiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site