Logo Observador
Estado

Arménio Carlos desvaloriza demissão dos três secretários de Estado

O secretário-geral da CGTP desvalorizou a demissão de três secretários de Estado, considerando que as "políticas a desenvolver são mais importantes do que as entradas e saídas" do Governo.

Arménio Carlos disse ainda que a CGTP quer que o Governo tenha outra forma de estar na preparação do Orçamento do Estado de 2018

Miguel A. Lopes/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, desvalorizou hoje a demissão de três secretários de Estado, considerando que as “políticas a desenvolver são mais importantes do que as entradas e saídas de pessoas” do Governo.

“Mais do que a entrada ou saída de pessoas no Governo, para nós [CGTP], o que importa são as políticas que devem ser desenvolvidas. O que nós assistimos é que na área laboral nos últimos tempos tem havido uma estagnação e uma falta de capacidade, intervenção e vontade política do Governo em responder a um conjunto de reivindicações e propostas”, disse à agência Lusa Arménio Carlos.

O secretário-geral da CGTP destacou a revogação da norma da caducidade para a contratação coletiva, uma maior celeridade da resolução do problema na precariedade na administração pública e o agendamento que ainda não foi feito desta discussão no setor privado pela via da concertação.

“Assim, relativamente às demissões, a CGTP não tem nada a acrescentar a não ser que vamos aguardar o desenrolar do processo e ver se as pessoas são implicadas ou não”, disse. Arménio Carlos disse ainda que a CGTP quer que o Governo tenha outra forma de estar na preparação do Orçamento do Estado de 2018.

Até agora não vimos sinais de grande abertura por parte do Governo relativamente à problemática dos salários, do congelamento de carreiras e do reforço das verbas para os serviços públicos”, disse.

Segundo Arménio Carlos, não basta dizer que se muda, é preciso provar que a mudança está a efetivar-se”.

Os secretários de Estado da Internacionalização, dos Assuntos Fiscais e da Indústria anunciaram no domingo que pediram a sua exoneração de funções ao primeiro-ministro e solicitaram ao Ministério Público a sua constituição como arguidos no inquérito relativo às viagens para assistir a jogos do Euro2016.

O primeiro-ministro aceitou no domingo os pedidos de exoneração dos secretários de Estado da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira, dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, e da Indústria, João Vasconcelos, “apesar de não ter sido deduzida pelo Ministério Público qualquer acusação”.

A decisão foi justificada com a intenção de não prejudicar o Governo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estado

Acabou o namoro entre Marcelo e Costa

João Marques de Almeida
3.651

“2017” não é, claramente, “2016” O estado de graça de Costa acabou-se. Regressado das férias, cometeu um erro enorme: para relativizar o roubo das armas de Tancos, traiu o Presidente da República.

Democracia

A democracia vista por baixo

Rui Ramos

Elegemos representantes cujos primeiros compromissos não são com os cidadãos, mas com os caciques dos partidos. Vista de baixo, a democracia não é a participação de todos, mas a organização de alguns.