Logo Observador
Estado

Portugal vai aos mercados para colocar até mil milhões de euros em dívida de longo prazo

O Estado português volta esta quarta-feira aos mercados com "dois leilões das Obrigações do Tesouro com maturidades em 14 de abril de 2027 e em 15 de fevereiro de 2045", afirma IGCP.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Estado português volta esta quarta-feira aos mercados com dois leilões de dívida de longo prazo, um a 10 e outro a 28 anos, com os quais espera arrecadar entre 750 e até 1.000 milhões de euros.

O IGCP, agência que gere a dívida pública portuguesa, informou que vai realizar esta quarta-feira “dois leilões das Obrigações do Tesouro com maturidades em 14 de abril de 2027 e em 15 de fevereiro de 2045”.

O último leilão de obrigações a 10 anos realizou-se em junho, quando a agência liderada por Cristina Casalinho colocou 750 milhões de euros a uma taxa de juro média de 2,851%.

A última emissão de mais longo prazo foi colocada em 2015 quando, em janeiro daquele ano, emitiu através de um sindicato bancário 2.000 milhões de euros em dívida a 30 anos e, em abril, reabriu uma linha da mesma maturidade, tendo colocado mais 500 milhões de euros no mercado. A taxa de juro média foi de 4,1% em ambos os casos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estado

Acabou o namoro entre Marcelo e Costa

João Marques de Almeida
3.651

“2017” não é, claramente, “2016” O estado de graça de Costa acabou-se. Regressado das férias, cometeu um erro enorme: para relativizar o roubo das armas de Tancos, traiu o Presidente da República.

Democracia

A democracia vista por baixo

Rui Ramos

Elegemos representantes cujos primeiros compromissos não são com os cidadãos, mas com os caciques dos partidos. Vista de baixo, a democracia não é a participação de todos, mas a organização de alguns.