Logo Observador
Autárquicas 2017

Assunção Cristas desafia Fernando Medina para debate televisivo

Candidata do CDS à câmara de Lisboa faz tiro ao alvo a Medina. Acusa-o de falta de transparência na autarquia, de ser o inimigo número 1 de quem anda em Lisboa e desafia-o para debate televisivo.

JOSÉ COELHO/LUSA

A candidata do CDS à Câmara de Lisboa, Assunção Cristas, desafiou esta quinta-feira à noite o atual presidente e candidato socialista Fernando Medina para um debate, em que preste contas sobre a governação “obscura, pouco transparente” e a “política desastrosa” no trânsito, área social e habitação.

“Eu desafio o doutor Fernando Medina para um debate televisivo em que ele preste contas de uma política tão obscura”, desafiou Assunção Cristas, que prometeu “uma governação sem casos, como o das obras do viaduto de Alcântara ou do miradouro de São Pedro de Alcântara”, aludindo no último caso à adjudicação sem concurso, por ajuste direto, à empresa Teixeira Duarte de obras consideradas urgentes.

O desafio da cabeça-de-lista da coligação Pela Nossa Lisboa (CDS/MPT/PPM) e líder do CDS-PP estende-se às explicações sobre o que qualificou de “política desastrosa” do atual presidente de Câmara e candidato socialista às autárquicas de 1 de outubro, no “trânsito, no estacionamento, nas políticas sociais e na habitação”.

Estamos fartos de ter uma Câmara obscura, pouco transparente, que decide em cima do joelho, que não fala com ninguém e que não sabe explicar porque não tem como explicar o que se passa nesta cidade”, afirmou, prometendo que a sua “governação será bem diferente da governação de Fernando Medina no que toca à transparência”.

Num jantar de lançamento da candidatura, na Estufa Fria, no Parque Eduardo VII, Assunção Cristas elegeu como eixos do seu programa eleitoral para Lisboa a mobilidade e estacionamento, as políticas sociais e a habitação e de uma “cidade azul”.

Nas críticas à mobilidade em Lisboa, Assunção Cristas incluiu o atual primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara de Lisboa: “António Costa prometeu em 2014 reinventar o sistema de transportes de Lisboa, Fernando Medina prometeu depois mais oferta e maior rapidez nos transportes públicos em Lisboa, ambos falharam redondamente”.

Dez anos depois de governação socialista a funcionar, os transportes estão piores, os tempos dos transportes estão piores, a qualidade está pior, não aparecem, não existem, nem são viáveis, falharam redondamente nesta agenda”, defendeu.

Cristas apelidou Medina de “inimigo público número 1 de quem tem de andar de um lado para o outro na cidade de Lisboa”, um “caça multas de estacionamento”. A candidata e presidente do CDS-PP falou dos eixos do seu programa eleitoral e especificou propostas a que já se tinha referido, como a de que não subsista qualquer sem-abrigo na capital.

O programa “Zero Sem-Abrigo”, explicou, passará pela criação da figura de apoio inter-pares, de pessoas que já estiveram na situação de sem-abrigo, “uma relação de apoio de quem tem uma experiência comum, que já passou pelo mesmo”. “Vamos abrigar todas as pessoas”, assumiu.

No âmbito das políticas sociais de apoio aos idosos e às pessoas com deficiência, a candidata revelou o projeto de criação de uma “rede dos cuidadores” , que possam ajudar as pessoas em situação de isolamento, em “articulação estreita entre serviços sociais e médicos”.

Assunção Cristas disse querer inspirar-se numa “administração à Nuno Abecassis, que tratava todos pelo nome, que todos conhecia”, referindo-se ao centrista presidente da Câmara entre 1980 e 1990.

Num jantar em que estiveram os vice-presidentes do partido Nuno Melo e Adolfo Mesquita Nunes, o presidente da Câmara de Ponte de Lima, Vítor Mendes, o antigo administrador do Centro Cultural de Belém António Lamas e o mandatário e ex-presidente da Câmara de Lisboa eleito pelo PSD António Carmona Rodrigues, foram apresentados todos os cabeças de lista às juntas de freguesia da capital.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt