Logo Observador
Banco de Portugal

Banco de Portugal aplicou multas de 1,4 milhões entre abril e junho

O Banco de Portugal aplicou multas de 1,4 milhões de euros aos bancos que supervisiona no segundo trimestre deste ano, no âmbito de 37 processos de contraordenação.

A entidade liderada por Carlos Costa não refere as entidades sancionadas

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Banco de Portugal aplicou multas de 1,4 milhões de euros aos bancos que supervisiona no segundo trimestre deste ano, no âmbito de 37 processo de contraordenação, segundo a informação divulgada esta segunda-feira pela entidade.

De acordo com o supervisor bancário, entre abril e junho, foram decididos 37 processos de contraordenação, tendo sido em sequência desses que foram aplicadas multas.

No contexto das referidas decisões foram proferidas pelo Banco de Portugal três admoestações e aplicadas coimas que totalizaram 1.455.500,00 euros (um milhão, quatrocentos e cinquenta e cinco mil e quinhentos euros)”, segundo a informação divulgada.

Do valor das multas, 400 mil euros estão “suspensos na sua execução”, não referindo o Banco de Portugal o motivo dessa suspensão.

A entidade liderada por Carlos Costa não refere as entidades sancionadas.

Quanto às contraordenações, 27 foram são relativas a infrações de natureza comportamental, seis infrações de natureza prudencial, três infrações sobre deveres respeitantes à prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo e um processo de atividade financeira ilícita.

Ainda entre abril e junho, o Banco de Portugal abriu 46 processos de investigação que podem dar origem a contraordenações.

No primeiro trimestre deste ano, o Banco de Portugal tinha instaurado 54 processos de contraordenação e decidido 84, aplicando coimas que totalizaram os 230 mil euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Minorias

O machismo militante da histeria anti xenofobia

Maria João Marques

Os que gritam xenofobia perante a mais leve crítica a certas comunidades onde os maus tratos a mulheres são inerentes à cultura que tanto defendem, fizeram a sua escolha: apoiar a opressão de mulheres

Justiça

Sexo forçado no tribunal

Luís Aguiar-Conraria

Não sei que idade têm os juízes, nem a juíza que votou favoravelmente este acórdão, mas, seja qual for a sua idade, envergonharam Portugal que foi, mais uma vez, e muito bem, condenado pelo TEDH.