Logo Observador
PCP

Reforma da floresta: PCP põe pedra na “geringonça” e ameaça chumbar propostas

Os comunistas querem voltar a debater e votar três pontos da reforma florestal, depois de uma madrugada parlamentar intensa. Transferir terras sem dono para banco de terras é um deles.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A votação na especialidade da reforma florestal durou até às 7 horas da manhã de hoje, mas o PCP continua insatisfeito com o resultado e quer trazer a debate e votação no plenário três pontos específicos. Se nada se alterar, os comunistas votam contra e deixam manca a “geringonça”, ficando a depender da abstenção do PSD a aprovação da reforma. O PCP critica sobretudo a posição do Bloco de Esquerda que acusam de ter “alinhado com PSD e CDS”.

Depois da conferência de imprensa, ao final da manhã, onde deixou a ameaça, o líder parlamentar do PCP entrou numa sala do Parlamento para se reunir com o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares. As conversas entre as partes, para tentar o alinhamento da esquerda numa reforma que o próprio Presidente da República já veio pressionar (depois de Pedrógão Grande), dominaram os últimos dias, sobretudo as últimas horas.

Para já, o que é certo, é que o PCP entrará para o plenário desta tarde — o último antes das férias parlamentares — com três pedras no sapato e, por isso, vai avocar três pontos que já foram votados ontem na especialidade, mas com os quais discorda fortemente. Avocar normas a plenário não é mais do que voltar a debatê-las e repetir a votação, forçando os partidos a assumirem a posição (também) perante o hemiciclo. Uma jogada de pressão política — a testar a solidez da “geringonça” numa matéria que o Governo tem como prioritária — que vai existir para três normas: garantir condições (recursos) para as autarquias na transferência de competências sobre as florestas; compensar os proprietários pela criação de faixas de segurança nas suas terras; eliminar toda a secção que diz respeito às terras sem dono. Este último é o ponto que maior atrito tem provocado entre a “geringonça”, já que o PCP não concorda com a transferência para o banco de terras das propriedades que, depois de feito o cadastro, ficarem na mesma sem proprietário identificado.

Esquerda afinada no combate ao eucalipto. No resto, nem por isso

Se o texto de lei se mantiver, a posição do PCP ficará na mesma: votará contra uma questão central da reforma florestal (banco de terras). E isto porque os comunistas acreditam que a aprovação deste ponto concreto “permitirá a concentração de propriedades, permitirá a privatização das terras do Estado e significará o esbulho dos pequenos proprietários rurais”, argumenta João Oliveira. Os comunistas atiram ao outro apoio do Governo no Parlamento: “Criticamos a opção do Bloco de Esquerda na obstaculização e aprovação de algumas medidas”. A posição do PCP “depende do texto final” que for apresentado logo à tarde, diz o deputado que ainda espera que se possa chegar a uma mudança de posições.

Os comunistas exigiram ao Governo que uma avaliação prévia da passagem de terras e os socialistas aceitaram os argumentos do PCP e comprometeram-se a regular a questão por decreto-lei e apenas daqui a um ano. Mas esta proposta acabou chumbada pela direita, com a ajuda do Bloco de Esquerda que também votou contra. Se a votação da parte que diz respeito aos banco de terras se mantiver, esta tarde no plenário, terá o número de votos suficiente para passar (o PSD deve abster-se). Mas o PS acaba a enfrentar o parceiro comunista.

Recorde-se que o acordo de esquerda prevê reuniões bilaterais (PS/BE, PS/PCP e PS/PEV), mas as reuniões com todas as partes da “geringonça” não estão previstas e nunca chegaram a acontecer. Ou seja, cabe ao secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares fazer esta ponte que, no caso da reforma florestal, se tem mostrado de estrutura frágil.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
PCP

O comunismo e o sarampo

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
4.028

O comunismo tem todas as características das doenças: tem sintomas específicos, provoca reacções alérgicas, costuma ser incurável, é geneticamente transmissível e terrivelmente mortal.

Politicamente Correto

Uma forma comum de ignorância

Paulo Tunhas

Se uma pessoa se define inteiramente como “anti” qualquer coisa (“anti-racista”, por exemplo), tende a encontrar racistas em todo o lado. O macartismo é uma disposição de espírito fácil de adquirir.