Kim Jong Un

Coreia do Norte. Kim Jong-un visitou fábrica de cosméticos com mulher e irmã

O líder norte-coreano visitou uma fábrica de cosméticos em Pyongyang, acompanhado da mulher e da irmã. Nos últimos meses, Kim Jong-un tem tentado reforçar os laços familiares na opinião pública.

O líder norte-coreano visitou a Fábrica de Cosméticos de Pyongyang, acompanhado da mulher e da irmã

Kim Jong-un não aparece muitas vezes em público. Na verdade, quando aparece, é numa de duas ocasiões: ou a assistir a grandiosas paradas ou em instalações militares e locais de testes de mísseis. Mas, nos últimos meses, o líder norte-coreano tem sido fotografado várias vezes durante visitas a fábricas para assinalar os avanços significativos na produção de bens de consumo. Mas tudo não passa de propaganda.

Este fim-de-semana, a comunicação social da Coreia do Norte divulgou novas fotografias de Kim Jong-un a visitar uma fábrica de cosméticos, acompanhado da mulher, Ri Sol-ju, e da irmã, Kim Yo-jong. O objetivo é simples: mostrar ao mundo que a liderança de Kim é completamente legitimada tanto pela elite de Pyongyang como pela classe média. Ankit Panda, analista das questões ligadas à Coreia do Norte, diz à BBC que “as visitas servem para mostrar que a Coreia do Norte consegue cuidar do seu próprio povo e providenciar prosperidade num nível comparável a Pequim e Seul”.

As visitas de Kim Jong-un a fábricas têm sido recorrentes

A agência de informação KCNA, além de divulgar as imagens, revelou ainda que Kim Jong-un elogiou a Fábrica de Cosméticos de Pyongyang por produzir “cosméticos de classe mundial” e por melhorar as suas instalações para um nível “do qual todo o mundo devia estar orgulhoso”. Ankit Panda atira: “ainda que saibamos que não é verdade, é importante para o regime mostrar ao seu povo que pode providenciar prazeres materiais”.

As fotografias ganharam ainda mais relevância pela presença da mulher de Kim, já que Ri Sol-ju raramente aparece em público. A irmã do líder norte-coreano não aparece nas imagens, mas a KCNA garante que Kim Yo-jong estava presente. Depois do assassinato de Kim Jong-nam, irmão do líder, e das suspeitas de envolvência da Coreia do Norte – precedidas pelo homicídio do tio de Kim Jong-un – o aparelho de propaganda tem agora como objetivo fortificar os laços familiares do líder, ainda que apenas para os olhares exteriores. “Isto dá ênfase à primazia da família, que os laços sanguíneos são importantes para ele, que os seus filhos lhe vão suceder”, explica Ankit Panda.

A mulher de Kim Jong-un (de vestido preto e branco) aparece em várias fotografias

A presença da irmã de Kim Jong-un ganha particular importância depois da sua promoção ao politburo, o órgão mais importante de tomada de decisão no Partido dos Trabalhadores da Coreia da Norte. Ankit Panda defende que o facto de Yo-jong também ter visitado a fábrica indica que “o regime de Kim quer que o mundo veja que ela está numa posição de maior visibilidade e poder”.

A visita de Kim Jong-un aconteceu um dia depois de declarações do Secretário da Defesa norte-americano, em que este dizia que os Estados Unidos “nunca iriam aceitar” uma Coreia do Norte com armas nucleares. James Mattis, que estava em Seul, capital sul-coreana, acrescentou que qualquer uso do armamento nuclear por parte de Pyongyang iria ter uma “resposta militar massiva”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site