Uber

SoftBank compra 15% da Uber. Valor da empresa cai 20 mil milhões de dólares

129

O grupo japonês SoftBank comprou 15% da Uber "com um desconto acentuado" de 30%, avança o Wall Street Journal. Operação baixa a avaliação da empresa para 48 mil milhões de dólares.

Dara Khosrowshahi assumiu a liderança da Uber em agosto, depois das várias polémicas que envolveram o fundador Travis Kalanick

Drew Angerer/Getty Images

O SoftBank conseguiu comprar 15% da Uber com um “desconto acentuado” de 30%. A operação fez com que o valor a que estava avaliada a empresa passasse para 48 mil milhões de dólares (menos 20 mil milhões da avaliação atual), avança o The Wall Street Journal.

Em outubro, o conselho de administração da Uber já tinha aprovado a proposta de investimento do SoftBank, que, segundo a Bloomberg, iria de mil milhões a 1,25 mil milhões de dólares. Além desta operação, o SoftBank tinha anunciado que queria comprar ações a outros investidores, aumentando a quota acionista de 14% para 17 por cento. A entrada do grupo japonês na Uber vai ter outras consequências, como a limitação dos poderes do fundador e ex-presidente Travis Kalanick.

A Uber vai agora contar com mais seis administradores, segundo o Wall Street Journal, e dois serão membros do SoftBank.O s direitos de voto também vão ser alargados e prevê-se que o capital sirva para a Uber continuar a sua estratégia de expansão e que seja admitida em bolsa (faça um IPO) em 2019.

A Uber tem estado sob várias polémicas desde o início do ano, quando a ex-engenheira da empresa, Susan Fowler, denunciou várias situações de assédio sexual num blogue. A estas queixas seguiram-se outras, que descreviam uma cultura de trabalho agressiva e sexista e juntou-se um processo judicial interposto pela Waymo, que acusava um funcionário da Uber de ter roubado dados confidenciais sobre a empresa. O ambiente levou o conselho de administração a afastar Travis Kalanick da liderança, que foi substituído em agosto por Dara Khosrowshahi.

Os problemas não se ficaram por aí. Pouco tempo depois de Dara ter assumido o controlo da empresa, a Uber perdeu a renovação da licença para operar em Londres, soube-se que um ciberataque à Uber pôs a descoberto os dados de 57 milhões de pessoas, em outubro de 2016 (sob a liderança de Travis Kalanick). A empresa na altura optou por silenciar os hackers com 100 mil dólares, em vez de reportar o que aconteceu às autoridades.Já este mês, o Tribunal da Justiça da União Europeia concluiu que a Uber é uma empresa de transportes e que tem de seguir com a legislação em vigor para o setor.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site