Instituto Nacional Estatística

Presidente do INE sai por reforma, ao fim de 12 anos no cargo

Alda Carvalho vai sair da presidência do Instituto Nacional de Estatísticas, cargo que ocupava desde 2005. O ECO diz que a saída se deve ao facto de ter atingido a idade limite para pedir a reforma.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Alda Carvalho está de saída da presidência do Instituto Nacional de Estatística (INE) depois de 12 anos no cargo. O ECO avança que Alda Carvalho reformou-se com efeitos a partir de janeiro deste ano, depois ter feito os 70 anos, o limite de idade para trabalhar na função pública.

A atual presidente da INE, que ainda se vai manter em funções durante as próximas semanas, foi nomeada para o cargo em novembro de 2005, tendo atravessado os dois governos de Sócrates, o período do resgate financeiro e da troika e ainda metade da atual legislatura.

“O mandato do Conselho Diretivo do INE, presidido por Alda de Caetano Carvalho, terminou a 31 de dezembro 2017”, avançou fonte do INE à agência Lusa, confirmando a notícia avançada pelo ECO.

“Nesse contexto, e à beira de atingir o limite de idade para o exercício de funções públicas (70 anos), a Dra. Alda de Caetano Carvalho decidiu aposentar-se, situação em que já se encontra”, sendo a gestão do instituto assegurada pelo restante Conselho Diretivo, acrescenta a mesma fonte.

Segundo adianta, o novo Conselho Diretivo do INE “será conhecido oficialmente logo que cumpridos todos os requisitos legais para a sua nomeação”.

Formada em Economia, Alda Carvalho foi nomeada presidente do INE em novembro de 2005, segundo informação publicada no ‘site’ do instituto.

Trabalhou como economista no Centro de Estudos de Planeamento da Presidência do Conselho de Ministros em 1972, na Direção Geral de Planeamento e Integração Económica de Moçambique (1973/74), na Direção Geral do Comércio (1975/82) e no Departamento Central de Planeamento (1982/83). Foi assessora e chefe de gabinete do secretário de Estado do Planeamento (1984/85), diretora do Departamento Central de Planeamento/Departamento de Prospetiva e Planeamento (1986/2005) e consultora do Banco Mundial (1994).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pobreza

Em nome dos filhos

Diogo Prates

Esta é a oportunidade da direita portuguesa, conseguir com um discurso simples mas eficaz apagar de vez a imagem de que a esquerda é a única que se preocupa com os mais pobres e desfavorecidos. Não é.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site