Ministério da Educação

Ministério dá um milhão de euros aos alunos para melhorarem as suas escolas

Através do Orçamento Participativo das Escolas, os alunos podem apresentar vários projetos que para melhorar as escolas. A iniciativa conta com uma verba de cerca de um milhão de euros.

Tiago Petinga/LUSA

Ter uma estação de rádio, criar um clube de teatro ou estar ligado à rede mundial que deteta sismos são sonhos reais de alunos que poderão concretizar-se com o novo Orçamento Participativo das Escolas, divulgado esta terça-feira.

Pelo segundo ano consecutivo, o Ministério da Educação lança o Orçamento Participativo das Escolas (OPE), que permite aos alunos propor mudanças para melhorar a sua escola e votar na ideia que mais lhes agrada. O anfiteatro da Escola Secundária Padre António Vieira, em Lisboa, foi o palco escolhido pelo Ministério da Educação para lançar a iniciativa, que conta com uma verba de cerca de um milhão de euros.

Cerca de duas dezenas de alunos daquela escola apresentaram neste dia variados projetos, tais como melhorar a sala do aluno com uma mesa de ‘snooker’ e consolas, criar um centro de interpretação ecológica ou renovar o velhinho equipamento de rádio de forma a poder passar música. Criar um clube de teatro e contratar um encenador profissional ou instalar uma rede sísmica escolar foram outras das propostas dos alunos que tinham três minutos para defender as suas ideias perante uma plateia de centenas de alunos.

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, foi o mediador da sessão, durante a qual lembrou que, no ano passado, mais de meio milhão de alunos participaram no OPE que tornou realidade cerca de quatro mil ideias.

A ideia que teve mais adesão, no ano passado, foi a instalação de rádios nas escolas, mas uma das que mais sensibilizou o ministro foi a criação de um sistema de sinalização visual a pensar nos alunos surdos que não conseguem ouvir o tradicional toque de início e fim das aulas.

Uma escola de Aveiro elegeu a proposta que defendia a criação de um parque de estacionamento coberto para as bicicletas, “porque os alunos gostam muito das suas bicicletas”, lembrou ainda Tiago Brandão Rodrigues.

Esta iniciativa, “inédita em todo o mundo, permite aos alunos decidir como vão gastar a verba que têm disponível”, sendo que cada escola tem direito a um euro por cada um dos alunos que a frequenta, explicou Tiago Brandão Rodrigues.

Além de promover uma maior ligação à escola, a iniciativa pretende ainda criar literacia financeira — ou estar em causa um orçamento que não pode ser ultrapassado — e literacia democrática, ao “familiarizar os alunos com todos os processos de eleição, votação e processos de campanha”.

Lembrando a elevada abstenção dos jovens em eleições portuguesas, o ministro acredita que o OPE poderá ser também “um exercício de cidadania democrática”. Tiago Brandão Rodrigues falou ainda na importância das coligações, neste caso, entre alunos com o objetivo de conseguir avançar com uma medida que agrade ao maior número possível de pessoas: “Ás vezes temos de fazer uma coligação para poder levar a bom porto a nossa ideia”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site