Logo Observador

Explicador

PSOE sem líder. PP cauteloso à espera dos socialistas. E governo?

05 Outubro 2016
Milton Cappelletti

E o que dizem os outros partidos da crise no PSOE?

Pergunta 2 de 10

Pablo Iglesias, líder do Podemos, reconheceu que a possibilidade de formar um governo alternativo ao PP está mais distante, após a demissão de Pedro Sánchez. “Se finalmente vencem no PSOE aqueles que querem entregar o Governo a Rajoy, teremos de oferecer garantias e segurança aos cidadãos de que têm uma opção diferente, claramente diferente ao PP”, afirmou ao canal La Sexta.

Iglesias assegurou que o Podemos e o PSOE ” necessitam-se mutuamente” para enfrentar o PP e advertiu que se o partido deixar Rajoy assumir o governo “vai deixar de liderar a oposição”.

Caso os socialistas decidam ir pela via da abstenção, viabilizando um governo do PP, outras consequências podem surgir nas relações com o Podemos. Pablo Echenique, secretário-geral do partido em Aragão, e Antonio Montiel, homónimo na Comunidade Valenciana, já afirmaram que pretendem repensar os seus pactos regionais com o PSOE.

Já o presidente do partido Ciudadanos Albert Rivera disse, pouco depois da demissão de Pedro Sánchez, que “os espanhóis não têm mais tempo nem merecem mais bloqueio” político. “Ninguém está à frente de Espanha, só seguiremos em frente com mudanças e diálogo.”

Esta segunda-feira, durante um evento em Madrid, foi mais incisivo ao dizer que espera que o PSOE não tenha “feito tudo o que fez” (em referência à longa reunião que terminou com a demissão de Sánchez) para continuar a negar-se a negociar com o PP. Para Rivera, a comissão gestora do PSOE tem a “obrigação moral” de sentar-se à mesa, e o PP de não se levantar da mesa e negociar um governo.”

O Partido Popular é mais cauteloso. Segundo relata o jornal El Mundo, o PP acredita na possibilidade de abstenção do PSOE, mas adverte que tal não é suficiente para garantir a governabilidade a longo prazo. “Não devemos dar nada por garantido, nem devemos alimentar cenários”, afirmaram fontes do partido ao El País.

A publicação descreve ainda que Rajoy solicitou aos seus ministros que não opinem sobre a crise interna do PSOE ou sobre uma eventual investidura. O líder do PP já terá telefonado a Javier Fernández, diretor da comissão gestora do PSOE, mostrando-se disponível a retomar as negociações.