Fact Check

Fact Check/ Não houve atualização dos equipamentos dos sapadores nos últimos 18 anos?

890

Ministro da Agricultura congratula-se por ter criado sapadores florestais em 1999 e diz que durante 18 anos não houve qualquer reforço de equipas e investimento em equipamentos. Terá sido assim?

A frase

“Fui eu que criei os sapadores florestais em 1999. Não existiam. (...) Voltei ao governo 18 anos depois e encontrei 240 equipas com os mesmos equipamentos de há 18 anos. (...) Equipas com viaturas a cair de podre porque nunca mais houve nenhum esforço de investimento nessas equipas.”

— Capoulas Santos, Ministro da Agricultura, no último Conselho de Ministros, 22 de junho de 2017


No final do Conselho de Ministros desta quinta-feira, Capoulas Santos reafirmou o que já tinha dito numa entrevista à SIC esta semana: que foi ele que criou as equipas de sapadores florestais, em 1999, quando era ministro da Agricultura do Governo de António Guterres, e que de lá para cá não foi feita nenhuma atualização ou investimento ao nível dos equipamentos.

Na sequência dessa constatação, o ministro diz que, quando chegou ao atual Governo, publicou um diploma que “corrigiu alguns aspetos em ternos de funcionamento e aumentou o financiamento destas equipas”, decidindo “desde logo aumentar 20 equipas e reequipar 44”. E explicou: “Para adquirir viaturas é preciso lançar um concurso público internacional, que foi desencadeado desde logo”. Segundo Capoulas Santos, o objetivo do atual Governo é agora continuar a “intensificar esse esforço” de prevenção.

O que está em causa?

Foram quase 18 anos: entre o Governo de António Guterres, no qual Capoulas Santos foi secretário de Estado e ministro da Agricultura, e o atual Governo de António Costa, governaram os socialistas no tempo de José Sócrates com Jaime Silva e António Serrano na pasta da Agricultura e um executivo do PSD/CDS, com Assunção Cristas a tutelar a Agricultura.

O que Capoulas Santos diz é que a reforma das florestas não se faz em dois semestres mas em várias gerações, e argumenta que o pontapé de saída que deu em 1999 não teve grande continuidade. Na entrevista à SIC, na última segunda-feira, o ministro reforçou essa ideia. “Com a minha passagem pelo Governo criei os sapadores florestais, deixei 100 equipas no terreno (a ideia era chegar às 500), e quando voltei ao terreno 17 anos depois estavam 240, muito aquém do que estava previsto para a legislatura seguinte”, afirmou. E adiantou que a intenção deste Governo é criar novas equipas e investir nas criadas naquela altura que, segundo Capoulas Santos, “têm viaturas a cair de podre porque nunca mais houve nenhum esforço de reinvestimento nestas equipas”.

“Não só criei as primeiras 100 equipas há 15 anos como cheguei anos depois e vi que estavam obsoletas, como também estão lançados concurso para reequipar mais 44”, disse.

As equipas de sapadores florestais são equipas constituídas no mínimo por cinco efetivos, uma viatura todo o terreno e um conjunto de equipamentos associados, como motosserras e motorroçadoras, que se distribuem por todo o território continental, estando mais concentradas na zona norte e centro em função da distribuição das manchas florestais.

Na sua intervenção após o Conselho de Ministros desta quinta-feira, o ministro da Agricultura foi ainda mais assertivo do que na entrevista à SIC e disse o seguinte:

Fui eu que criei os sapadores florestais em 1999. Não existiam. Consiste numa viatura equipada com elementos que permitam fazer a limpeza da floresta. Decidimos que o Ministério da Agricultura financiaria 50% dos custos e ofereceria os equipamentos. O objetivo era numa legislatura criar 500 equipas. No primeiro ano criei 100 equipas de sapadores. Voltei ao governo 18 anos depois e encontrei 240 equipas com os mesmos equipamentos de há 18 anos. São carros todo o terreno com 18 anos, portanto, em muito mau estado de conservação. Equipas com viaturas a cair de podre porque nunca mais houve nenhum esforço de investimento nessas equipas.”

Mas é verdade que não houve reequipamento nem investimento nestas equipas nos últimos anos e as viaturas estão todas a cair de podre?

Quais são os factos?

Em 2014 e 2015, durante o Governo do PSD/CDS, houve de facto um esforço de reequipamento das equipas de sapadores florestais, ao contrário do que diz o atual ministro da Agricultura.

Segundo relatórios produzidos pelo Programa de Sapadores Florestais a pedido do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), em 2014 e 2015 houve um “reforço orçamental do Fundo Florestal Permanente para o reequipamento das equipas de sapadores florestais no montante de 2,2 milhões de euros, através do qual o ICNF apresentou três candidaturas ao fundo, tendo sido adquiridas 21 viaturas todo-o-terreno equipadas com unidade hidráulica de supressão de incêndios, equipamento coletivo motomanual – 281 motosserras e 231 motorroçadoras – e 297 conjuntos de equipamento de proteção individual para equipar as equipas de sapadores florestais e as equipas de sapadores do ICNF”.

O mesmo não aconteceu em 2010. Segundo os relatórios disponibilizados pelo ICNF, em 2010 “o reequipamento não foi realizado” durante os governos socialistas de José Sócrates. “Uma vez que o Protocolo de colaboração AFN/IFAP-2010, para apoio das equipas de sapadores florestais não visava o apoio à aquisição de equipamento para se reequiparem as equipas de sapadores florestais, o reequipamento não foi realizado”, lê-se no relatório. O investimento tinha sido realizado dois anos antes. No relatório “Floresta Espaço de Futuro”, com data de Janeiro de 2009, o Governo socialista descrevia que as equipas de sapadores florestais tinham aumentado em quase 100, e passado de apenas 166 em 2005 para 263 em 2008.

Eis a cronologia do reequipamento, segundo o ICNF:

12 de dezembro de 2014 – foram distribuídas 21 viaturas às equipas mais antigas, numa cerimónia presidida pela então ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, no Centro de Operações e Técnicas Florestais, na Lousã. Nessa altura, a ministra congratulava-se no Facebook pelo facto de estar a reequipar as equipas com viaturas novas, lembrando que os sapadores florestais tinha sido criados em 1999 e que “só agora, 15 anos depois, algumas das suas equipas beneficiam da primeira ação de reequipamento”.

Entrega de 21 novas viaturas a Equipas de Sapadores Florestais. A atribuição destes equipamentos irá substituir viaturas…

Posted by Assunção Cristas on Sunday, December 14, 2014

24 de março de 2015 – foram distribuídos conjuntos de equipamento de proteção individual: 107 motosserras e 103 motorroçadoras a 107 equipas de sapadores florestais da região centro, numa cerimónia realizada em Viseu, no Instituto Superior Politécnico de Viseu, também presidida pela ministra;

27 de março de 2015 – foram distribuídos conjuntos de equipamento de proteção individual: 50 motosserras e 40 motorroçadoras a 50 equipas de sapadores florestais das regiões de Lisboa e Vale do Tejo, do Alentejo e do Algarve. A cerimónia realizou-se nas instalações do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) no Viveiro Florestal de Évora foi presidida pela presidente do ICNF.

7 de abril de 2015 – foram distribuídos novos conjuntos de equipamento de proteção individual: 97 motosserras e 95 motorroçadoras a 97 equipas de sapadores florestais da região norte, numa cerimónia realizada em Braga, no Parque de Exposições de Braga, presidida por Assunção Cristas;

Em 2015, segundo o mesmo relatório do ICNF, o instituto apresentou, por indicação do Governo, candidaturas ao Fundo Florestal Permanente para a continuação do reequipamento de equipas de sapadores florestais e “foi igualmente apresentado uma candidatura para 20 equipamentos completos, por forma a dotar as 20 novas equipas de sapadores florestais”.

Na referida cerimónia de abril de 2015, em Braga, a então ministra Assunção Cristas congratulava-se por estar a “concluir a entrega de equipamentos individuais”. Em dezembro, recordava, já tinha entregado “21 carrinhas para sapadores”, e anunciava novas intenções. “Estamos a trabalhar para adquirir 79 viaturas novas e vamos até ao final do ano abrir candidatura para mais 20 equipas de sapadores florestais”, dizia.

A verdade é que esse concurso para viaturas não chegou a ter uma conclusão efetiva. Numa pergunta dirigida ao Ministério da Agricultura, a 23 de junho de 2016, via Parlamento, o grupo parlamentar do CDS alertava o Governo para o facto de ter sido “iniciado um processo concursal para a aquisição de 79 viaturas para o reequipamento de 59 equipas de sapadores florestais e constituição de 20 novas equipas”, questionando qual era o ponto da situação desse concurso. O CDS perguntava também se estava “assegurada para 2016 a constituição das 20 novas equipas de sapadores florestais”.

Na resposta, o gabinete de Capoulas Santos confirmava que tinha sido, de facto, iniciado, em setembro de 2015 (com o anterior Governo), um processo de concurso “para a aquisição de 20 novas viaturas” junto da ESPAP (Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública), mas que a ESPAP tinha “devolvido o concurso, em outubro desse ano, por não estar devidamente instruído”. Por essa razão, o ministro diz que “em maio de 2016, já na vigência do XXI Governo Constitucional, foi preparado e iniciado um novo processo corretamente instruído, estando o mesmo em fase de apresentação de propostas”.

No final, o ministério garantia ainda que estava prevista “a constituição de 20 novas equipas de sapadores florestais para 2016”.

Acontece que, apesar de o concurso para a constituição de 20 novas equipas ter começado no Governo anterior, só foi reaberto a 21 de março de 2017, tendo sido finalizado a 24 de maio. Mas ainda os novos sapadores não chegaram ao terreno. Na entrevista à SIC esta semana, o ministro dizia que as 20 novas equipas iriam ser “formalizadas em poucos dias”. “Este ano criaremos 64 [equipas], 20 novas que serão formalizadas em poucos dias, e mais 44 no outono para reequipar as que foram equipadas por mim pela primeira vez há 15 anos e que agora têm viaturas a cair de podre”, disse na segunda-feira.

O que o atual Governo fez, em janeiro deste ano, foi um decreto-lei que estabelece o regime jurídico aplicável aos sapadores florestais e que regulamenta os apoios à sua atividade, nomeadamente na perspetiva de apoio financeiro. Esse regime, isso sim, já não era alterado desde 2009.

Conclusões

A informação veiculada pelo ministro da Agricultura está errada. Não é verdade que não tenha havido investimento no reequipamento das equipas de sapadores florestais criadas em 1999 pelo então ministro Capoulas Santos. Nem é verdade que não tenha havido investimento em novas viaturas. Nos últimos anos de mandato do anterior Governo, entre 2014 e 2015, houve o investimento em 21 novas viaturas, 281 motosserras, 231 motorroçadoras e 297 conjuntos de equipamento de proteção individual. Assunção Cristas, anterior ministra da Agricultura, avançou com o reequipamento de 59 equipas e criação de 20 novas equipas de sapadores, mas esse concurso não foi concluído devido a problemas administrativos e transitou para o atual Governo. Foi então Capoulas Santos que deu seguimento a essas medidas e que atualizou o regime jurídico sobre os apoios à atividade dos sapadores florestais, em janeiro, e que criou 20 novas equipas já previstas em 2015 — mas só este mês, e não em 2016 como garantia numa resposta ao grupo parlamentar do CDS. E decidiu reequipar apenas 44 equipas, quando o anterior Governo tinha previsto fazê-lo a 59, revendo para já em baixa o objetivo anterior.

Artigo atualizado no sábado às 00h54 com as informações relativas ao aumento do número de equipas de sapadores florestais em 2008.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site