Logo Observador
Vacinas

Sarampo, vacinas, produtos “cruelty-free” e o recuo da racionalidade

Autor
2.913

Sabendo que devemos sobretudo às vacinas o facto da esperança de vida ter quase duplicado no século XX, pergunto-me onde estaríamos se a racionalidade não tivesse resistido a movimentos como o atual.

Devo confessar a minha surpresa pela fotogaleria de 17 de Abril, com as empresas cujos produtos não são testados em animais. Pretendendo aumentar a sua quota num mercado bilionário, tais empresas inventaram a designação de “cruelty-free”, que o Observador compra com laivos de autosatisfação do dever cumprido, sem sequer distinguir, como deveria, o que é experimentação animal séria do que é “cruelty”.

O Observador devia saber que existem, desde há décadas, organismos que velam, justamente, pelo bem estar dos animais experimentais e que todos os experimentadores europeus estão necessariamente sujeitos à sua supervisão. As boas práticas neste domínio estão asseguradas a três níveis de controlo: desde logo os biotérios, mas também os investigadores, têm obrigatoriamente de estar certificados, após cursos de formação e prática comprovada (por vezes longa); mais, todos os projectos específicos de investigação científica na Europa exigem aprovação por tais organismos (a DGAV, em Portugal) e por comissões de ética independentes. Mais ainda, instituições e investigadores aplicam à experimentação animal o princípio dos “3 Rs” (“reduction, refinement, replacement”) proposto em 1959, existindo até incentivos financeiros neste sentido.

Tudo isto porque, como o Observador poderia ter sugerido, a experimentação animal é necessária, não só para todos os novos medicamentos, mas ainda, parece-me, para todos os novos produtos para uso humano. As tais empresas “cruelty-free” de que o Observador faz propaganda só têm três alternativas, todas más para o consumidor: (1) a mais simples é, naturalmente, de não produzir nada de novo e vender, com outros nomes ou misturas, o que sempre se usou (e se sabe não fazer mal à maioria das pessoas); (2) vender produtos que nunca foram testados para eventuais malefícios para a saúde; (3) vender produtos que foram directamente testados em “voluntários” humanos que são pagos para fazerem eles próprios de “cobaias”. O meu obrigado ao Observador por nos informar sobre os produtos que não devemos comprar, se não queremos arriscar eventuais irritações de pele ou de intestino.

Esta é uma das várias tendências de raiz irracional que avançam nas nossas sociedades urbanas e pós-modernas. Outra é a recusa dos pais em vacinar os filhos. Com o surto de sarampo que grassa por estes dias em Portugal, temos assistido a discussões intermináveis sobre a pertinência e constitucionalidade de obrigar os pais a vacinar os filhos. Por um lado, tais senhoras e senhores põem em risco as vidas dos seus filhos e as dos filhos dos outros, particularmente em países onde a escolarização é obrigatória, proporcionando assim as condições ideais para contágio epidémico. Por outro lado, não podemos, diz-se, legislar contra as livres escolhas individuais (como se não fosse obrigatório, por exemplo, usar cinto de segurança nos automóveis ou capacete nas motos). Ora, o assunto não é novo em outros países e já existe jurisprudência. Vários tribunais federais americanos encontraram, a meu ver, a solução “salomónica”: os pais são livres de vacinar ou não os seus filhos, mas estes não entram nas escolas se não forem vacinados. Pelo que sei, o caso até já está resolvido em Portugal: (1) a escolaridade é obrigatória e (2) a inscrição nas escolas exige um certificado de vacinas em ordem. Voilà.

O que de facto preocupa é o avanço da irracionalidade, do qual os fundamentalismos mais ou menos religiosos e nacionalistas (e crimes associados) são apenas um sintoma. Sabendo que devemos sobretudo às vacinas o facto da esperança de vida à nascença ter quase duplicado no Século XX, pergunto-me onde estaríamos hoje se a racionalidade nascida do “enlightenment” não tivesse sido suficientemente forte para resistir ao movimento romântico, que os anti-vacinas e outros “cruelty-free” tentam reviver.

Imunologista, dirigiu o Instituto Gulbenkian de Ciência de 1998 a 2012

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Democracia

Fogo cruzado sobre a caça ao voto

António Coutinho

Sem me arrogar quaisquer competências em politologia, julguei pertinente avançar algumas razões em defesa da escolha aleatória da representação democrática que não têm sido devidamente consideradas.

Serviço Nacional de Saúde

O registo oncológico nacional

Filipa Iglésias

A divulgação de dados pessoais tão sensíveis como os relativos à saúde deve ser feita com consentimento directo dos cidadãos, de forma livre, específica, informada, explícita e não por defeito.