Logo Observador
Câmara Municipal Lisboa

Teresa quê?

Autor
129

Em pleno Verão cheio de roubos, catástrofes e dramas, pergunto quem se pode dar ao luxo de deitar votos para a rua em vez de os andar a colher em todas as ruas, freguesias e bairros da cidade?

As redes sociais multiplicam os exemplos cómicos (e trágicos) de cartazes de campanha para as próximas autárquicas e alguns são verdadeiras anedotas. Fazem rir, embora não tenham sido produzidos para serem propriamente divertidos. Digo eu, que acho que com o dinheiro não se brinca, muito menos quando esse dinheiro não nasce nas gavetas das sedes dos partidos nem nos bolsos de quem neles milita.

Incompreensíveis, risíveis e anacrónicos, os ditosos cartazes afinal cumprem múltiplas funções, nem todas desejáveis ou convergentes. Pretendem transmitir uma imagem, mas acabam por revelar uma caricatura. O cúmulo desta paródia é um grande partido dar-se ao luxo de produzir, pagar e colar cartazes para ajudar o povo a decorar um nome. Isto sim é inédito.

Em Lisboa, a pouco mais de dois meses das eleições, apareceram cartazes inteiramente vazios, sem mensagem absolutamente nenhuma, apenas com uma fotografia a preto e branco mal recortada e mal impressa encostada à direita, ao lado de um nome que, no entender dos experts, se destina a dar a conhecer alguém que é desconhecido de todos. Ou quase. Ah, no canto superior esquerdo também aparece uma seta cor de laranja a apontar para cima, a emergir de um quadrado clássico de boletim de voto, e de certeza que esperam que naquele quadradinho desenhado no lado que menos se vê, resida toda a prodigiosa eloquência de um cartaz mudo.

Em meados de Julho aplicam-se a ajudar-nos a soletrar um nome e levam-nos a associá-lo a uma cara que, insisto, está mal fotografada, sem nitidez e sem punch suficientes; em meados de Agosto não se passa nada porque os cidadãos eleitores ainda estão a banhos e não ligam a cartazes a não ser de gelados e, quando muito, de festas de Verão com bons DJs; em meados de Setembro talvez apareça uma mensagem colada no branco-vazio dos cartazes, e passadas duas semanas chega o grande dia. O tempo daqui até 1 de Outubro é um fósforo, mas estes senhores dão-se ao luxo de agir como se tivessem todo o tempo do mundo.

Para quem já conhece a candidata à CM de Lisboa escolhida pelo PSD, os cartazes são ainda mais vazios, porque já decoraram o nome e até já sabem quem é. Ou seja, não precisam deste gigantesco jogo de memória que consiste em publicar cartazes-mnemónicos. Em todo o caso devo dizer que mesmo entre supostos connaisseurs já ouvi os maiores dislates. Querem ouvir? Teresa Leal Costa, Teresa Leal Faria, Teresa Neto Coelho, Teresa Costa Coelho e até ‘aquela Teresa de que ninguém sabe o nome completo’. Bonito serviço. Realmente assim percebe-se a campanha do nome.

Acontece que não estamos em tempo de perder tempo e, muito menos, de desperdiçar dinheiro. A candidata tem certamente obra feita, ou não teria sido escolhida pelo líder de um grande partido, mas se assim é porque não dá-la a conhecer através da sua acção em vez de a reduzir à expressão mínima do nome? Nome que, ainda por cima, nunca saberemos se vai ser devidamente conjugado e pronunciado daqui até às autárquicas, apesar deste mega esforço para o sabermos de cor.

Em plena campanha, em pleno Verão cheio de acontecimentos, roubos, catástrofes e dramas, pergunto quem se pode dar ao luxo de deitar votos para a rua em vez de os andar a colher em todas as ruas, freguesias e bairros da cidade? Não sei porque é que os políticos não aprendem uns com os outros e não evitam erros que outros já cometeram. Falo de todos os políticos de todos os quadrantes, note-se. Também me interrogo sobre a estratégia dos estrategas. Nomeadamente daqueles que em vez de capitalizarem à direita (como Costa fez e continua a fazer à esquerda, mantendo os atrelados da geringonça todos a rodar, mesmo os que se arrastam com rodas quadradas), dizia eu aqueles que em vez de capitalizarem à direita e ao centro, dividem as hostes oferecendo candidatos cuja cara, nome e obra a esmagadora maioria dos eleitores desconhecem.

Não sabemos o que vai acontecer em Outubro e há sempre a possibilidade de crer em milagres (santa audácia! como diria Camilo Castelo Branco), mas é difícil acreditar numa aposta tão dissonante que mais parece um favor da direita à esquerda. Um presente que a oposição amorosamente oferece ao governo, quero dizer.

Há, ainda, a possibilidade de Pedro Passos Coelho ter previsto uma fraca votação na sua estimabilíssima Teresa (não quero correr o risco de me enganar no nome e, por isso, fica assim, simplesmente Teresa), na sua biografia de grande alcance e certamente maior impacto (a avaliar por artigos publicados com títulos incisivos do tipo: “quem é a candidata do PSD”), mas se assim foi poderemos inferir que foi de propósito que a fez avançar? Para a queimar? Para ninguém o acusar de não ter um candidato próprio? Para dar a conhecer uma cara e um nome que deixa os militantes livres para votarem noutros candidatos? Estranha estratégia, esta.

Fernando Medina deve estar radiante com tudo isto e nem sequer dá a cara. Desconhecido por desconhecido, prefere continuar na sua semi sombra confortável de príncipe herdeiro que nunca foi a votos, e apostar em cartazes desfocados de fundo branco com as caras e figuras de outros sobrepostas (sobre-expostas, também!), tentando confundir os incautos falando sempre em nome de Lisboa e nunca em nome próprio.

De todos os candidatos, sem excepção, espera-se ver a cara e conhecer o nome e a obra, mas acima de tudo saber o que querem fazer por nós, cidadãos e cidades.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Família

O stress das férias

Laurinda Alves
994

Há clássicos eternos que podem ser evitados ou, pelo menos, minimizados se as prioridades forem bem geridas em férias. Nomeadamente se formos capazes de desligar telemóveis e computadores.

Barrigas de Aluguer

Cheira a negócio

Laurinda Alves
7.820

Eu, mulher e mãe, sentiria tanta repugnância em gerar um filho que não fosse meu como em desembaraçar-me dele no fim. Tudo isto é anti-natural. Tudo é artificial e, desculpem lá, tudo cheira a negócio

Catolicismo

Um coach chamado Inácio

Laurinda Alves
1.836

500 anos depois, num tempo em que Deus continua a ser uma palavra difícil e muitos crentes são perseguidos e mortos, Inácio de Loyola continua muito à frente do tempo inspirando leigos e religiosos.