Pelo menos 847 pessoas morreram, entre as quais quinze menores, em centros de detenção na Síria desde o princípio de 2014, denunciou hoje o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

A organização não-governamental refere que na lista de mortos constam seis mulheres que também foram vítimas das prisões do regime de Damasco.

De acordo com o observatório, trata-se de vítimas de tortura, de execuções, de falta de condições sanitárias e humanitárias, entre as quais pessoas a quem foram recusados tratamentos médicos.

As mortes ocorreram em prisões, dependências de unidades de segurança e quartéis militares.

Na elaboração do relatório sobre o número de mortos, a organização não-governamental, com sede no Reino Unido, recorreu a informações fornecidas pelos próprios familiares das vítimas que denunciaram os casos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mais de 150 mil pessoas perderam a vida desde o início do conflito sírio, em março de 2011, de acordo com os dados do observatório.