O Banco Central Europeu (BCE) poderá baixar a taxa de de juro de referência de 0,25% para 0,15%, de acordo com a revista alemã Der Spiegel, caso decida seguir a recomendação que vai ser feita pelo economista-chefe da instituição, Peter Praet. O conselho de governadores vai reunir-se a 5 de junho e, entre as preocupações que estarão em cima da mesa, estão os riscos de um euro sobrevalorizado e os receios sobre a taxa de inflação na zona euro, que se encontra abaixo do valor alvo do BCE, de 2%.

Em abril, o ritmo de crescimento dos preços entre os países em que circula a moeda única foi de 0,7% em comparação com o mesmo mês de 2013. Os números do Eurostat revelaram uma ligeira aceleração em relação ao mês anterior, já que, em março, a taxa homóloga se fixou em 0,5%. A baixa inflação e o facto de diversos países do euro estarem a registar variações negativas nos índices de preços, erguendo o fantasma da deflação, deverá conduzir a decisões do BCE destinadas a contrariar este cenário.

A autoridade monetária pode voltar a cortar as taxas de juro de referência no início de junho, fazendo descer, também, a taxa de juro que cobra aos bancos para depositarem dinheiro no banco central para valores negativos, de acordo com a Reuters. A instituição liderada por Mario Draghi, segundo a mesma fonte, estará a preparar um plano com várias opções detalhadas para tentar reavivar a economia da zona euro, para ser discutido na próxima reunião do conselho de governadores, segundo cinco fontes com conhecimento das medidas que estão a ser preparadas.