Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É esta quarta-feira que a Microsoft lança a iniciativa que pretende criar dez mil empregos na área das tecnologias de informação até 2017, a Ativar Portugal. Objetivo: contribuir para o desenvolvimento de competências, formação de novos talentos e promoção do emprego qualificado em Portugal, com olhos postos no território nacional e na Europa.

A iniciativa conta com o envolvimento dos parceiros da empresa, como a Biz Direct, Accenture ou a Rumos, e com a colaboração do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), prevista no acordo de cooperação que é assinado hoje, quarta-feira, entre o gigante da tecnologia e aquele organismo do Estado. Com este passo, as entidades pretendem promover o desenvolvimento de competências no âmbito da economia digital e responder às necessidades do mercado de trabalho atual.

“Acreditamos que existe oportunidade para Portugal se posicionar como um centro de competências de tecnologias de informação no contexto europeu. Existem 900 mil vagas profissionais por preencher no setor, na Europa, e Portugal pode ter um papel bastante importante neste contexto”, explicou João Couto, diretor-geral da Microsoft Portugal ao Observador.

A ideia surgiu depois de a empresa ter verificado que existe um elevado número de ofertas de emprego na área, mas que há falta de recursos qualificados para as preencher. Com o Ativar Portugal, a empresa quer colocar em contacto direto empresas e profissionais que estejam à procura do primeiro emprego, queiram aprofundar os seus conhecimentos ou obter conhecimento mais especializado, através de uma formação com o carimbo da Microsoft.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Portugal tem recursos altamente qualificados nesta área e com provas dadas. Além disso, os nossos cursos são certificados, muito produtivos e com um valor de mercado altamente competitivo. Isso torna-nos num player muito relevante no contexto europeu”, explica João Couto.

A nível nacional, o cenário é semelhante. O diretor-geral da Microsoft conta que existem cinco mil vagas em tecnologias de informação por preencher em Portugal, sendo que duas mil dizem respeito à tecnologia Microsoft, ou seja, aquela que é utilizada nas aplicações da multinacional norte-americana, como as do Office. As vagas estão presentes nos parceiros da Microsoft e noutras empresas que operam em território nacional.

Formação e emprego para um setor de futuro

O programa está assente em quatro pilares: formação e certificação, ofertas de emprego, plataforma de pesquisa de emprego e outra para colocação online de currículos. As formações são certificadas pela Microsoft e podem ser tiradas online ou em blocos presenciais de 200 ou 500 horas, dependendo da opção escolhida.

Pensadas para quatro públicos-alvo, destinam-se a quem quer dar os primeiros passos nas tecnologias de informação, a quem já os tenha, mas esteja desempregado, a quem queira aprofundá-los ou a quem queira especializar-se. Alguns cursos são pagos. Uma especialização numa aplicação Office, por exemplo, pode custar cerca de 200 euros e outra com elevado grau de conhecimento pode custar três mil euros.

Com o lançamento da iniciativa, ficam disponíveis 300 ofertas de emprego em território nacional. Qualquer pessoa poderá aceder à plataforma para concorrer, pesquisar ofertas ou colocar o seu currículo para consulta.

“Acreditamos que, com este movimento, estamos a dar o primeiro passo para afirmar Portugal como um centro de inovação e competências em tecnologias de informação no contexto europeu. É um pontapé de saída”, afirma João Couto. Com o programa, que arranca nesta quarta-feira, o diretor da Microsoft espera contribuir para reforçar e desenvolver competências em tecnologias de informação e criar mais emprego, não só em Portugal, como no resto da Europa.

“Nós acreditamos que as tecnologias de informação são uma área de futuro e Portugal tem de estar associado ao futuro”, concluiu o responsável da empresa.