Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

António José Seguro quer eleições primárias para a escolha do candidato a primeiro-ministro no dia 28 de Setembro. Para Seguro, não há pressa na realização de eleições primárias, estas podem demorar quase quatro meses a realizarem-se.

A proposta do líder do PS está a ser neste momento discutida em comissão política e será votada esta noite. A data preferencial é 28 de Setembro, mas o secretário-geral do PS admite poder adiar para 5 de Outubro. Os quase quatro meses até à realização das eleições são explicados pela necessidade de organizar as estruturas do partido e de verificar os cadernos eleitorais.

Esta decisão vai contra as aspirações de António Costa que queria uma clarificação rápida, de preferência antes do verão. À entrada para a reunião desta noite, António Costa disse apenas que preferia “quanto mais rápido, melhor”.

Na proposta de resolução que levou à reunião da comissão política, Seguro defende que a “designação do candidato ao cargo de primeiro-ministro nas próximas eleições legislativas seja efetuada através da realização de eleições primárias abertas à participação dos eleitores socialistas (inscritos no PS e simpatizantes)”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Seguro demite-se se perder. Na proposta que levou aos dirigentes socialistas, Seguro faz depender o cargo de secretário-geral destas eleições primárias. “Na hipótese de não vir a ser o candidato eleito, e apenas nessa circunstância, o secretário-geral do PS apresentará de imediato a sua demissão”.

Quem pode votar?

Na proposta de António José Seguro, podem votar todos os eleitores que estejam inscritos quer no PS quer na JS ou que tenham sido candidatos nas últimas eleições autárquicas, legislativas regionais, legislativas ou europeias. Além destes, podem ainda votar os inscritos no Laboratório de Ideias, Propostas para Portugal e no movimento Novo Rumo, movimentos e grupos de trabalho ligados ao PS, alguns deles lançados pelo próprio secretário-geral, António José Seguro.

Além destes militantes, podem ainda votar simpatizantes. Mas para isso são estabelecidos alguns requisitos a cumprir que serão estabelecidos em regulamento eleitoral, mas que Seguro quer desde já à partida que incluam a assinatura e “um compromisso individual de concordância com a Declaração de Princípio do PS”.

Na proposta, Seguro garante que vai dar condições iguais para todos os candidatos em termos orçamentais. Além disso compromete-se a uma divulgação alargada das regras de modo a mobilizar os potenciais votantes, isto durante os meses de Verão.

Calendário

Até 30 de Junho – Aprovação do regulamento eleitoral e designação da comissão eleitoral.

Julho – Preparação dos cadernos eleitorais de ficheiros já existentes e respetivo acesso por parte das candidaturas.

Julho a Setembro – Divulgação alargadas das regras de modo a mobilizar os potenciais votantes.

28 de Setembro – Data preferencial das eleições primárias – 5 de Outubro é a proposta alternativa.

Os socialistas estão ainda reunidos esta noite no Largo do Rato onde aprovarão a proposta de Seguro. Contudo, daqui a pouco mais de uma semana, voltarão a reunir-se, desta vez em comissão nacional – órgão máximo entre congressos – para discutir a proposta de António Costa de levar o partido para congresso eletivo, proposta que prefere às eleições primárias.