Exposições

Fadista e escultora Cristina Maria inaugura duas exposições no Panteão Nacional

Escultura de 1,75 metros de homenagem a Amália Rodrigues sobressai na exposição da escultora e fadista Cristina Maria, inaugurada na quinta-feira no Panteão Nacional.

Cristina Maria, fadista e escultura, inaugura 'Esculturas do meu fado' no Panteão

Tiago Petinga/LUSA

Um escultura de homenagem a Amália Rodrigues, de 1,75 metros em pedra vermelho de Alicante, sobressai na exposição da escultora e fadista Cristina Maria que será inaugurada na quinta-feira no Panteão Nacional, em Lisboa.

A mostra intitula-se “Esculturas do meu fado” e foi apresentada pela primeira vez há um ano no vizinho Museu do Fado, e percorreu outros espaços, designadamente o Convento de Cristo, em Tomar, o Museu da Cidade de Aveiro, a Casa-Museu Guerra Junqueiro, no Porto, e ainda, no âmbito do Festival Sete Sóis Sete Luas, em Pontedera, na Itália, e já este ano em Frontignam, em França.

Referindo-se à exposição “Esculturas do meu fado”, Cristina Maria afirmou que esta procura “exprimir o duplo sentimento de amar o fado e a cantaria”.

Esta exposição levou cerca de dois anos a preparar, integra apenas esculturas em mármores e calcários pretos e brancos, à exceção da escultura de homenagem a Amália Rodrigues.

“O branco e o negro são, para mim, as cores representativas do fado, destacando-se um vermelho de Alicante que é minha homenagem à minha grande inspiração, Amália Rodrigues”, afirmou Cristina Maria.

Outra peça relacionada com Amália intitula-se “Barco Negro”, em calcário preto e mármore branco de Angola. O título remete para um tema que a fadista criou no filme “Amantes do Tejo”.

Além de Amália, são homenageados o fadista Fernando Maurício, o guitarrista e compositor Custódio Castelo, o músico Jorge Fernando, o viola baixo Joel Pina e o construtor de guitarras Óscar Cardoso. Estes três últimos marcam presença na cerimónia de inauguração, na qual a fadista, apenas acompanhada por Custódio Castelo irá apresentar alguns temas do seu próximo álbum, “Voz das Mãos”.

Do alinhamento do álbum faz parte “Estranha forma de vida”, um fado de Amália na música do Fado Bailado, de Alfredo Marceneiro, e que marca a estreia da fadista como autora, ao assinar o tema “Que farei de ti meu coração”, em parceria com Abílio Ferro.

O novo álbum inclui poemas, entre outros, de Maria Manuel Cid, “Esta minha guitarra”, Ana Maria Mascarenhas, “Gaivota Perdida”, e de Guilherme Frazão, “Ausente”.

Na exposição de escultura, constituída por 11 peças, “todos os fadistas são homenageados através da escultura ‘Fado menor’, de 1,23 metros de altura, que representa o xaile da fadista em repouso, num cadeirão de ferro, guardando a dor, a solidão e a saudade”, trata-se de “uma escultura em mármore ruivina e ferro”, explicou.

A Canção de Coimbra é homenageada com “Verdes Anos”, em calcário preto do Alqueidão da Serra e mármore branco da Grécia, remetendo o seu título para a composição homónima de Carlos Paredes.

A escultura dedicada a Custódio Castelo, músico que habitualmente acompanha a fadista, intitula-se “Inquietude”, é em ferro e em calcário preto do Alqueidão da Serra e tem 1,60 metros.

“Procurei, através da pedra, exprimir inovação, genialidade, criação e forma de reinventar o instrumento, como acompanhador e também como solista, do músico Custódio Castelo”.

Paralelamente a artista apresenta, pela primeira vez, também no Panteão, uma coleção de joias com base nas pedras que habitualmente trabalha, denominada “Memórias do Destino”.

A exposição é definida por Cristina Maria como “uma mostra de mini-esculturas”.

“Nestas mini-esculturas utilizei mármores de diversas origens, nacionais e estrangeiras e acrílico, sendo ornamentadas a prata”, explicou a artista plástica, que destacou a peça “Bouquet”, pela “sua singularidade”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela
105

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)