Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No fim de semana o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) deu por terminada a recolha dos apoios necessários que habilitam os candidatos para concorrerem ao lugar deixado vago por Alfredo Pérez Rubalcaba, secretário-geral cessante. A campanha interna arranca já amanhã e, segundo anuncia esta quarta-feira a imprensa espanhola, de confronto direto terá apenas um debate a três.

Pedro Sánchez, Eduardo Madina, José Antonio Pérez Tapias são os três nomes que querem o lugar de secretário-geral do PSOE, ocupado até então pelo socialista Rubalcaba, um histórico membro do PSOE que estava na cena política há cerca de 40 anos e que anunciou o afastamento da liderança depois da má prestação do partido nas eleições europeias de maio.

Os nomes foram aprovados pelos militantes do partido, com Sánchez a conseguir a maioria dos apoios (41.338, segundo o El Mundo, o que corresponde a 20,9%), Madina com 25.238 (12,7%) e Tapias, na retaguarda, com os tangentes 9.912 votos de apoio, muito pouco a cima dos 9.874 (equivalente a 5%) exigidos para se seguir em frente com a candidatura.

Mas a guerra pelos apoios foi longa e dura e mostrou sinais de um partido quebrado. No fim, os resultados foram pouco expressivos. Apenas 76.488 dos 197.468 inscritos manifestaram o seu apoio a qualquer um dos nomes. A maioria, 120.980 militantes, não se pronunciou sobre um em detrimento dos outros, o que se traduziu numa escassa participação de 38,7% naquela que é a primeira fase do processo de escolha do novo líder socialista.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Posto isto, os candidatos têm dez dias para convencer os militantes do que valem. A campanha decorrerá até dia 12 de julho, e o novo secretário-geral deverá ser eleito um dia depois, a 13. O partido realiza depois, entre 26 e 27 deste mês, um congresso extraordinário que deverá confirmar a nomeação do líder.

A imprensa espanhola avançou esta segunda-feira que, depois de muita discussão, só haverá um debate entre os três candidatos. Será na próxima segunda-feira, dia 7, e o acordo foi de que se realizaria na sede do PSOE, em Madrid, considerado o território mais neutral possível e teria uma duração de hora e meia.

Resta acordar os últimos detalhes e condições, mas sabe-se já que cada um terá 10 minutos de exposição inicial para introduzir as suas principais propostas, e depois deverão submeter-se a perguntas dos militantes que assistem ao debate, e que podem chegar a ser uma centena.