Rádio Observador

Super Bock Super Rock

Atrasos marcaram segundo dia do festival, mas Eddie Vedder fez valer a espera

O sol deu lugar a vento, pó e depois a um curto período de chuva fraca que provocou atrasos em dois palcos. Eddie Vedder só começou a tocar às 02h, mas valeu a pena esperar. Woodkid também brilhou.

Meco com chuva, mas também com rock’n’roll. Se no primeiro dia o calor e o sol marcaram presença, no segundo apareceram as nuvens, o vento, o pó e alguns aguaceiros, que apesar de curtos provocaram problemas técnicos no Palco EDP e atrasos nas atuações de Sleigh Bells, Cat Power e Eddie Vedder. Woodkid e Legendary Tigerman ficaram a salvo da confusão e aproveitaram para dar dois dos melhores concertos da noite.

The waiting drove me mad“. Eddie Vedder chegou ao Palco Super Bock com uma hora de atraso, às duas da manhã, e escolheu abrir o concerto com “Corduroy”, dos Pearl Jam, que começa com aquela frase oportuna. Sobre o atraso falaremos mais à frente, mas se o horário da uma da manhã já causa algum receio no que toca à receção do público a um só músico, que ainda por cima vai dar um concerto acústico e contar algumas histórias pelo meio, às 02h da manhã esse receio aumenta. À mesma hora do dia anterior estavam a começar Disclosure, para despertar a malta. Mas já na passagem de Eddie Vedder pelo festival Sudoeste, em 2012, se viu como ele sabe dominar uma plateia. “Boa noite! Saúde”, disse em português, enquanto brindava com uma garrafa de vinho na mão. Pegou numa folha com frases em português e partiu à aventura. “Só uma vez tentei tocar sozinho para tanta gente. Foi há dois anos em Portugal. Por isso podem ver que confio em Portugal. É bom estar de volta”, disse, entre uma chuva de aplausos.

No recinto, as t-shirts de Pearl Jam eram mais que muitas e Eddie fez o favor de tocar dez músicas da banda de Seattle, entre as quais “Immortality”, “Black”, “Betterman”, uma “Lukin” a três velocidades e a balada “Just Breathe”, para delícia dos vários casalinhos no recinto. Quando se tocam 30 músicas num concerto de mais de duas horas (o maior desta edição do festival), há espaço para tudo. Vedder passou também pelos seus dois álbuns a solo – Ukulele Songs e Into The Wild – e por versões de Neil Young (“The Needle and the Damage Done”, “Rockin in the Free World”), Beatles (“You’ve Got to Hide Your Love Away”) e Crowded House (“Throw Your Arms Around Me”).

Foram no entanto duas versões de Bob Dylan e John Lennon a introduzir a questão da guerra. As declarações que Vedder proferiu sobre os conflitos armados que estão a acontecer no mundo, há uma semana, foram tomadas pelos fãs israelitas como uma crítica direta ao seu país, e que ele já disse não ser verdade. O músico começou por chamar ao palco “um guitarrista esquerdino” chamado Legendary Tigerman para o acompanhar em “Masters of War”, de Bob Dylan. Com a sua guitarra elétrica, Paulo Furtado, que já tinha atuado naquele palco horas antes, tornou-se o primeiro português a tocar com Eddie Vedder. “Se somos anti-guerra não significa que somos pró um lado ou outro num confronto”, disse minutos mais tarde, agora em inglês. Nesse momento, e de surpresa, vários fãs na plateia levantaram papéis com palavras como “Peace”. Vedder agradeceu e tocou, pela primeira vez nos seus mais de 20 anos de carreira, “Imagine”, de John Lennon. “Por ser a música mais poderosa do mundo”, afirmou.

Até às 4h20 houve mais surpresas. Cat Power, que tinha acabado de atuar no Palco EDP, apareceu para cantar “Tonight You Belong To Me”, de Ukulele Songs, e voltou a aparecer – ligeiramente descontrolada – com a sua banda para cantar “Hard Sun”, no final. Eddie Vedder foi um cabeça de cartaz muito comunicativo, que ora falava da queda do avião da Malásia, ora contava que vestia a mesma camisola que estava a usar quando o seu tio John morreu, recentemente. Apesar da hora, e de dois encores, grande parte do público não arredava pé e entoava “I’m still Alive”. Vedder não voltou ao palco uma terceira vez, mas enquanto Portugal tiver sol, ondas para surfar e fãs dedicados, haverá uma próxima oportunidade para o reencontro.

setlist-eddie-vedder

Apanhámos uma fã com uma setlist do concerto de Eddie Vedder.

Mas a noite também fica marcada por falhas na organização. Após a queda de alguma chuva fraca, o Palco EDP, que estava descoberto, ficou interdito devido a problemas técnicos. Os seguranças do palco informavam os festivaleiros curiosos de que tudo teria de atrasar uma hora, até se resolver o problema. Mas, passada hora e meia, ainda não havia qualquer informação por parte da organização. À meia-noite, os jornalistas foram informados de que os Sleigh Bells fariam uma atuação muito curta às 00h05, e que Cat Power seria adiada para as 00h30. Chegados ao palco encontramos os Sleigh Bells, não a fazer o seu papel de músicos, mas a informar os festivaleiros sobre novos horários. “Nós vamos passar para o final do concerto de Eddie Vedder e atuamos às 03h00. Cat Power vai cantar agora e o Eddie Vedder começa às 01h15”, dizia ao microfone Alexis Krauss, acrescentando: “It’s crazy”. Da organização, nem uma palavra após as indicações erradas dadas na sala de imprensa. Meia-hora mais tarde, a Música no Coração sobe ao Palco Super Bock para anunciar horários diferentes, que implicaram mais uma hora de espera para ver Vedder e menos tempo de atuação para Cat Power, que acabou por tocar só seis músicas. A oportunidade de ver um bom espetáculo de Chan Marchall e companhia em Portugal depois de seis anos de ausência esfumou-se.

De volta às coisas positivas, o francês Yoann Lemoine, conhecido entre nós por Woodkid, fez os fãs felizes com o concerto que deu no Palco Super Bock, às 23h10, e pelo caminho ainda deve ter angariado mais admiradores. A roupa escura dos oito músicos e os ecrãs laterais a emitir a preto e branco deram o ambiente ideal para ouvir canções como “Technology” e “I Love You”. Com apenas um álbum de longa-duração para mostrar (The Golden Age, saído em 2013), esta é já a segunda vez que o grupo atua em Portugal, depois de terem estado no festival Mexefest do ano passado. “A última vez aqui foi muito épica, por isso estamos muito contentes de estar aqui”, disse Yoann Lemoine. O concerto terminou com uma “Run Boy Run” prolongada e cânticos dos fãs mesmo sem instrumental. Foi um belo final de concerto.

woodkid, sbsr, super bock super rock 2014,

Woodkid.

Antes de Woodkid houve outro grande concerto. Nada a que já não estejamos habituados com Legendary Tigerman, mas o habitual “homem-orquestra” solitário preparou para o Super Rock um espetáculo especial. Foi isso mesmo que se percebeu quando o vimos entrar acompanhado por quatro músicos de cordas e sopro, e ainda Filipe Costa para os teclados. Com disco novo nas lojas, True, Paulo Furtado preparou também novidades para o Meco, e ainda bem. À 1.ª música canta: “I wanna take you for a ride“. É tudo o que o público quer. Por entre novas canções e outras mais antigas, como “These Boots Are Made For Walkin’” ou “Naked Blues” (que marcou o início da chuva), Paulo Furtado foi cantando e tocando sozinho ou chamando vários convidados para o ajudarem a dar um dos melhores concertos deste segundo dia de Super Rock.

Longe do rock, mas igualmente perto dos bons concertos está Capicua. Sem surpresas, a rapper portuense estava no palco Antena 3 onde não cabia mais ninguém. “Confesso que quando vi esta gente toda pensei: é tudo para me ver ou porque está a chover cá fora?”. A chuva foi-se, as pessoas ficaram para ver a rapper mostrar da melhor crítica económica e social. Continuando em português, a banda lisboeta For Pete Sake deu o primeiro concerto do dia, no Palco EDP. Em dia quase esgotado, os palcos vão tendo mais gente do que no dia anterior e é este o caso. “Got Soul”, a ‘música do anúncio’ contratada pela EDP, faz o maior sucesso entre os presentes. Começaram com duas músicas do EP de estreia, Soothing Edge e mostraram ter presença de palco.

joe satriani, sbsr, super bock super rock 2014,

Joe Satriani.

À mesma hora atuavam o guitarista Joe Satriani e os Cults, banda apadrinhada por Lily Allen. O primeiro tinha o palco cheio de gente, os segundos tinham público um pouco indiferente às músicas. Aparentemente estranha é a escolha dos palcos. É que o guitarrista norte-americano Joe Satriani, nomeado aos Grammy várias vezes, tocou no Palco EDP, e os Cults no principal. Para acabar, já passava das 5h mas o DJ set de António Freitas, com uma seleção de rock made in anos 90, chamou muita gente ao palco Antena 3. Houve Rage Against The Machine, Offspring, Nirvana e muito mais.

O 20.º Super Bock Super Rock termina este sábado com concertos de Kasabian, Foals, The Kills, Dead Combo, Oh Land, tributo a Lou Reed e Albert Hammond Jr., músico dos Strokes, entre muitos outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)