Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) que está a ser negociado entre os Estados Unidos e a União Europeia ainda não está fechado, mas a sua implementação pode adicionar mais de mil milhões à economia portuguesa, criando mais de 40 mil postos de trabalho a curto prazo e mais 23 mil até 2030. Portugal será ainda um dos países da União Europeia que vai beneficiar mais cedo da vantagens deste acordo comercial.

As conclusões são de um estudo pedido pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros ao Centre for Economic Policy Research, um think thank britânico que reúne cerca de 700 investigadores em todo o mundo, de modo a avaliar o impacto deste acordo de comércio livre especificamente na economia portuguesa. O aumento no PIB (Produto Interno Bruto) seria de 0,66%, cerca de 1164 milhões de euros, impulsionadas pelo crescimento das importações e das exportações em cerca de 1 a 1,3%.

O acordo terá um impacto maior à partida em Portugal do que noutros países da UE já que os setores estratégicos portugueses, como o calçado e o têxtil, são os que vão ver as tarifas de importação reduzidas com maior facilidade. Este aumento nas exportações vai levar também a um aumento de quase 1% nos salários dos trabalhadores menos qualificados e mais de 0,5% nos dos trabalhadores mais especializados. O estudo mede ainda as expetativas deste acordo dentro de um cenário modesto e um cenário ambicioso, consoante as linhas (ainda secretas) do acordo que está a ser finalizado entre a Comissão Europeia e os EUA.

Para apresentar formalmente os resultados deste estudo, Rui Machete, ministro dos Negócios Estrangeiros, e Bruno Maçães, secretário de Estado dos Assuntos Europeus, estarão esta quinta-feira na Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, em Lisboa. Estará também presente Joseph François, investigador Centre for Economic Policy Research, que liderou a elaboração do estudo. O estudo foi pedido pelo Governo em parceria com a Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP) e a Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD).

 

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR