O forte sismo de magnitude 6,1 que foi sentido este domingo nas regiões montanhosas do sudoeste da China fez pelo menos 150 mortos e milhares de feridos, além de perdas materiais, divulgaram os meios de comunicação locais.

O tremor de terra fez mais de 1.300 feridos e 180 pessoas estão desaparecidas, referiu a agência oficial de notícias Nova China.

O sismo ocorreu às 16:30 locais (09:30 em Lisboa), no nordeste da província de Yunnan, com o seu epicentro situado a uma profundidade de aproximadamente dez quilómetros, segundo o instituto geofísico norte-americano (USGS).

“O sismo provocou a queda e danos em numerosos edifícios, particularmente nos imóveis residenciais de construção antiga”, indicou a Nova China.

Mais de 120 mortos foram contabilizados nos distritos de Ludian, onde se localizou o epicentro do sismo, precisou a China News Service, a segunda agência oficial do país.

Cerca de 30 pessoas morreram em outros dois distritos vizinhos.

Equipas de bombeiros e dezenas de membros das forças de segurança pública estão a caminho da região do epicentro do sismo, acrescentou a televisão pública CCTV.

A região montanhosa entre as províncias de Yunnan, Sichuan e Guizhou, são de difícil acesso e já conheceram graves episódios sísmicos nos últimos decénios.

Em Sichuan, uma das províncias mais populosas da China, registou-se em maio de 2008 um sismo de magnitude 8,0, que fez 87 mil mortos e desaparecidos.