Pelo menos um general norte-americano da NATO foi hoje morto e 15 militares das forças internacionais feridos por disparos de um oficial afegão contra tropas locais e da Aliança em Cabul, referiram fontes oficiais. Na Alemanha, o exército referiu por sua vez que um general alemão se inclui entre os feridos no atentando, que provocou a morte “a um militar norte-americano”.

“O general alemão, cuja vida não corre perigo, vai ser assistido e os seus familiares foram avisados”, precisou a Bundeswehr, força armadas germânicas, em comunicado. Um responsável norte-americano confirmou a morte de um militar dos Estados Unidos e ainda 15 feridos no decurso do tiroteio.

De acordo com fontes governamentais citadas pela televisão local Tolo, entre os feridos no ataque ocorrido na Academia de oficiais do exército nacional afegão (ANAOA) incluem-se sete norte-americanos, cinco britânicos e um alemão, todos membros da missão da NATO no Afeganistão (ISAF).

Em Washington, fontes oficiais citadas pela agência noticiosa Efe asseguraram que pelo menos 12 dos feridos são de nacionalidade norte-americana. Três membros das forças militares afegãs também ficaram feridos no tiroteio.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O ministério da Defesa afegão limitou-se a referir em comunicado que o atacante foi abatido e referiu-se a diversos “feridos”, sem adiantar pormenores. A ISAF confirmou uma morte entre as tropas internacionais. Na gíria militar, estas ações são conhecidas como ataques “verde contra azul”, numa alusão à cor dos uniformes das respetivas forças. Este foi o segundo ataque do género em 2014, após a morte em fevereiro de dois soldados da missão da ISAF, abatidos por desconhecidos que envergavam o uniforme das forças de segurança afegãs.

Em 2012, foram registados mais de 50 ataques deste género, atribuídos a militantes talibãs infiltrados nas forças armadas afegãs, mas a tendência diminui a partir de 2013 quando foi anunciada a progressiva retirada do contingente militar internacional do Afeganistão.