O anúncio oficial de Marina Silva como candidata do Partido Socialista Brasileiro (PSB) às eleições presidenciais do Brasil só é feito na quarta-feira, mas a Folha de S. Paulo publicou segunda-feira uma sondagem realizada pelo instituto Datafolha que dá à ambientalista 21% dos votos, apenas um ponto à frente do candidato do PSDB Aécio Neves e 15 pontos atrás da candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT). De acordo com estes resultados, a atual presidente do Brasil seria empurrada para uma segunda volta.

A sondagem mostra ainda que nessa segunda volta Marina Silva ficaria numericamente à frente de Dilma Rousseff, com 47% dos votos contra os 43% da candidata do PT. Estes números indicam um empate técnico. Se Dilma disputasse a segunda volta com o tucano Aécio Neves teria uma vantagem de oito pontos sobre este (47% para Rousseff, 39% para Neves).

Marina Silva, que, soube-se no domingo, vai ocupar o lugar de Eduardo Campos como cabeça de lista do PSB às eleições de 5 de outubro de 2014, era a candidata a vice-presidente da coligação “Unidos pelo Brasil”. Depois da morte de Eduardo Campos na quarta-feira, Marina recebeu o apoio da família Campos, nomeadamente da viúva deste, Renata Campos. Mas o seu nome provocou algumas divisões dentro do PSB. O novo presidente do Partido Socialista, Roberto Amaral, nunca escondeu que Marina Silva não era a sua preferida.

O anúncio, em abril, de que Marina Silva seria a número dois de Eduardo Campos provocou alguma surpresa, até porque a ambientalista surgia à frente de Campos nas sondagens. Os resultados publicados esta segunda-feira mostram Silva com quase o triplo das intenções de voto de Eduardo Campos (8%).

Esta é a segunda vez que Marina Silva avança como candidata a presidente do Brasil, depois de em 2010 ter alcançado 19 milhões de votos.