Imagine que faz um corte profundo no dedo com uma faca de cozinha. A hemorragia é imediata e não há maneira de a estancar: vai precisar de pontos, de coser a ferida. Agora imagine que, logo após o corte, abre uma gaveta e retira de lá uma bisnaga com uma substância que aplica na ferida profunda e estanca a hemorragia em segundos. É uma ocorrência demasiado comum para se ignorar esta notícia: um jovem de 21 anos inventou um gel capaz de fazer parar hemorragias de grandes (e pequenas) dimensões em qualquer parte do corpo. Chama-se Veti-Gel e vai começar por ser aplicado na medicina veterinária.

O princípio extraordinário deste produto criado por Joe Landolina — agora estudante de mestrado de engenharia biomédica na Universidade de Nova Iorque — é a utilização de um conjunto de proteínas e açúcares conhecido por matriz extracelular, que não é mais que a substância que existe entre as células do nosso corpo, uma espécie de “massa” que as une. A característica especial desta matéria é a capacidade de responder ao ambiente à sua volta de acordo com o tipo de células que aí se encontram, ou seja, uma vez que existe em todos os tecidos, ela atua de acordo com as necessidades de cada tecido ou órgão.

Na prática, os resultados são extraordinários. Este vídeo demonstra o potencial do Veti-Gel:

As substâncias presentes neste gel ativam as cascatas da coagulação — conjunto de processos complexos responsáveis pela coagulação do sangue — mas só funcionará se todos os elementos fundamentais estiverem presentes, tais como as plaquetas e/ou o fibrinogénio. Atualmente, o controlo das grandes hemorragias faz-se pela compensação destes e de outros fatores e muitas vezes as transfusões de componentes sanguíneos — glóbulos vermelhos, plaquetas, plasma e fibrinogénio — são a única forma de compensar (e estancar) as grandes perdas hemorrágicas. Em muito países, Portugal incluído, isso representa um problema pela dependência de dádivas de sangue, um bem escasso que nem sempre se encontra disponível nas quantidades desejadas.

Quando a utilização deste gel for autorizada para uso humano, o que talvez possa ocorrer já no próximo ano (disse Joe Landolina à Fast Company), serão muitas as possíveis aplicações. Desde a utilização em grandes cirurgias onde a hipótese de hemorragia é elevada — na cirurgia vascular e hepática, por exemplo — até ao uso em casos de urgência civil ou militar, passando pelo corte no dedo com a faca de cozinha. O Veti-Gel pode bem ser uma descoberta revolucionária para a medicina.